Quais são os dons do Espírito?

15 de junho de 2015

Quais são os dons do Espírito?


    “Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um para o que for útil. Porque a um, pelo Espírito, é dada (1º) a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, (2º) a palavra da ciência; e a outro, pelo mesmo Espírito, (3º) a ; e a outro, pelo mesmo Espírito, (4º) os dons de curar; e a outro, (5º) a operação de maravilhas; e a outro, (6º) a profecia; e a outro, (7º) o dom de discernir os espíritos; e a outro, (8º) a variedade de línguas; e a outro, (9º) a interpretação das línguas. Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer”; (1 Co 12.7-11). 

     O QUE É UM DOM? Dom; charismata (gr) “charis”; graça, ou seja, o dom é dado de graça. Os dons naturais são vocações, inclinações e meios de sobrevivência pessoal. Os dons naturais são pessoais! É para a pessoa independente de crença ou não em Deus. Ex: Cantar, dançar, ensinar, jogar, etc. O QUE É UM DOM ESPIRITUAL? Os dons espirituais não são para todos, somente para os que aceitam a Cristo. São 9 dons, 9 manifestações sobrenaturais concedidas pelo Espírito Santo, que operam através do cristão, para o bem comum da Igreja. 

“Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos”; (1 Co 12.4-6). “Porque, pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não saiba mais do que convém saber, mas que saiba com temperança, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um. Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação, assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros. De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; Se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria”; (Rm 12.3-8). A CATEGORIA DOS DONS ESPIRITUAIS - São três categorias. DONS DE SABER - Palavra de sabedoria; Palavra da ciência; Discernimento de espíritos. DONS DE PODER - Fé; Operações de maravilhas; Curas. DONS DE INSPIRAÇÃO - Profecia; Variedade de línguas; Interpretação de línguas. O DOM DA PALAVRA DA SABEDORIA; Trata-se da revelação da Palavra de Deus, é a sabedoria do Espírito para nos ensinar a sermos corretos na hora certa. “E Estêvão, cheio de fé e de poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. E levantaram-se alguns que eram da sinagoga chamada dos Libertos, e dos cireneus e dos alexandrinos, e dos que eram da Cilícia e da Ásia, e disputavam com Estêvão. E não podiam resistir à sabedoria, e ao Espírito com que falava”; (At 6.8-10). “E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada. Peça-a, porém, com fé, não duvidando; porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento e lançada de uma para outra parte”; (Tg 1.5,6). O DOM DA PALAVRA DE CONHECIMENTO; Mesmo que muitos confundam a sabedoria e o conhecimento (ciência), há uma diferença: A sabedoria é o conhecimento em ação. A ciência é o conhecimento em si. A sabedoria e o conhecimento, devem andar juntos. Deus nós dá um conhecimento que não poderíamos alcançar por nosso próprio esforço. Chama-se palavra, porque o conhecimento nos é dada através de uma expressão, de uma frase, ou de uma imagem. Sua função é indicar algo que Deus que realizar conforme a demanda do momento ou da situação requerida. “Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação”; (Ef 1.17). 

O DOM DA FÉNão se trata da fé para salvação, mas de uma fé sobrenatural, especial, comunicada pelo Espírito Santo. Nos capacitando a crer em Deus, para a realização de coisas extraordinárias e milagrosas. “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não vêem”; (Hb 11.1). “Eis que a sua alma se incha, não é reta nele; mas o justo, pela sua fé viverá”; (Hc 2.4). OS DONS DE CURARÉ a restauração da saúde física, por meios divinos e sobrenaturais. É o unico dos dons que esta  no plural. O plural “dons” indica a cura de diferentes enfermidades e atuações de Deus. “E percorria Jesus toda a Galiléia, ensinando nas suas sinagogas, e pregando o evangelho do Reino, e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo. E a sua fama correu por toda a Síria; e traziam-lhe todos os que padeciam acometidos de várias enfermidades e tormentos, os endemoninhados, os lunáticos, e os paralíticos, e ele os curava”; (Mt 4.23,24). “E, chamando os seus doze discípulos, deu-lhes poder sobre os espíritos imundos, para os expulsarem, e para curarem toda a enfermidade e todo o mal”; (Mt 10.1). O DOM DE OPERAÇÃO DE MARAVILHASÉ a capacitação sobrenatural que o Espírito Santo concede a Igreja de Cristo para que esta realize sinais, maravilhas como ressurreição de mortos, intervenção nas forças da natureza. Tem que se ter uma intimidade muito profunda com o Espírito Santo, para receber este dom. O DOM DE PROFECIA; Para que serve a profecia? “Segui a caridade e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar. Porque o que fala em língua estranha não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala mistérios. Mas o que profetiza fala aos homens, para edificação, exortação e consolação”; (1 Co 14.1-3). Existe uma diferença distinta entre o dom de profecia para todo o cristão e o ofício de profeta. O profetizar se refere a um dom de manifestação do Espírito Santo; e “profeta” se refere a um homem. Um ministério. “Na Igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé e Simeão chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes o tetrarca, e Saulo”; (At 13.1). “Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina”; (Ef 2.20). “O qual, noutros séculos, não foi manifestado aos filhos dos homens, como, agora, tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas”; (Ef 3.5). Direcionamento pessoal nunca foi e nunca será a função principal da profecia. Se você receber uma profecia que não condiz com o teu presente momento da tua vida, tal profecia deverá e pode ser “colocada de lado” e uma confirmação deverá ser aguardada, ou melhor, até três. “É esta a terceira vez que vou ter convosco. Por boca de duas ou três testemunhas, será confirmada toda a palavra”; (2 Co 13.1). 

     O DOM DE DISCERNIMENTO DE ESPÍRITOSDiscerni no espiritual é vencer no físico. “E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição. E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade; e, por avareza, farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita”; (2 Pe 2.1-3). Jesus Cristo, venceu todas as Suas batalhas no âmbito espiritual. Quem sabe com quem esta lutando tem uma chance enorme de vencer a guerra. A nossa luta não é contra a carne e nem o sangue. Nunca se esqueça disto! O DOM DE VARIEDADE DE LÍNGUASExistem os sinais, o falar em línguas “glossa” (gr), é um destes sinais. “O que fala em língua estranha edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a Igreja”; (1 Co 14.4). Em nenhum lugar na Bíblia o batismo no Espírito Santo é chamado de dom de línguas, o falar em línguas é um dos dons espirituais. Todo cristão que é cheio do Espírito Santo deve falar em línguas, mas nem todos necessariamente têm o dom de línguas, como uma manifestação espiritual no ministério da Igreja. O apóstolo Paulo, ensina que 90% do dom de línguas são para uso particular e pessoal na oração, louvor e  para a edificação. Todavia há aqueles a quem o Espírito Santo move para que levantem as suas vozes em línguas nas reuniões, para que sejam em seguida interpretadas a fim de abençoarem a toda a Congregação presente a reunião. O DOM DE INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS; Existem quatro tipos de línguas (devocionais, congregacionais, angelicais e nacionais). O portador deste dom interpreta o tipo de língua e edifica a Igreja. “E eu quero que todos vós faleis em línguas estranhas; mas muito mais que profetizeis, porque o que profetiza é maior do que o que fala em línguas estranhas, a não ser que também interprete para que a Igreja receba edificação. E, agora, irmãos, se eu for ter convosco falando em línguas estranhas, que vos aproveitaria, se vos não falasse ou por meio da revelação, ou da ciência, ou da profecia, ou da doutrina?”; (1 Co 14.5,6). Em outras palavras, o apóstolo Paulo esta dizendo. Se for para a própria edificação tudo bem! Pode falar língua estranha a vontade. Mas se é para um membro ou para a Igreja, TEM QUE HAVER INTERPRETAÇÃO! Interpretação é o mesmo que tradução? Não! Interpretar significa explicar, expor, elucidar ou expandir. Traduzir significa converter de uma língua para outra. Na verdade o grau da tradução em si pode variar segundo a revelação pessoal. Se uma pessoa em um culto ou uma reunião congregacional, elevar o seu falar em línguas acima das outras línguas, a sua língua estranha estará deixando de ser devocional e passara a ser congregacional.“E, se alguém falar em língua estranha, faça-se isso por dois ou, quando muito, três, e por sua vez, e haja intérprete. Mas, se não houver intérprete, esteja calado na Igreja e fale consigo mesmo e com Deus”; (1 Co 14.27,28). Neste caso se não houver uma interpretação de línguas revelada à outra pessoa. A própria pessoa que falou em línguas terá que interpretar a revelação que Deus trouxe para a congregação. Através da sua própria língua (ou seja, a revelação que ela falou). Se não houver uma interpretação, duas coisas ocorreram. Profetizou na carne ou ocorreu, houve imaturidade cristã. “Pelo que, o que fala em língua estranha, ore para que a possa interpretar”; (1 Co 14.13). Devemos buscar, procurar adquirir os melhores dons espirituais para termos uma vida cristã vitoriosa. O apóstolo paulo nos adiverte. “Portanto, procurai com zelo os melhores dons; e eu vos mostrarei um caminho ainda mais excelente”; (1 Co 12.31). Quais são os melhores dons? Fé; Profecia e Discernimento de espíritos. Tendo esses três dons, automaticamente todos os outros dons estarão contidos.
       
Graça & Paz.

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.