Jesus não podia entrar publicamente na cidade?

15 de setembro de 2015

Jesus não podia entrar publicamente na cidade?



     “E pregava nas sinagogas deles, por toda a Galiléia, e expulsava os demônios. E aproximou-se dele um leproso que, rogando-lhe, e pondo-se de joelhos diante dele, lhe dizia: Se queres, bem podes limpar-me. E Jesus, movido de grande compaixão, estendeu a mão, e tocou-o, e disse-lhe: Quero, sê limpo. E, tendo ele dito isto, logo a lepra desapareceu, e ficou limpo. E, advertindo-o severamente, logo o despediu. E disse-lhe: Olha, não digas nada a ninguém; porém vai, mostra-te ao sacerdote e oferece pela tua purificação o que Moisés determinou, para lhes servir de testemunho. Mas, tendo ele saído, começou a apregoar muitas coisas e a divulgar o que acontecera; de sorte que Jesus já não podia entrar publicamente na cidade, mas conservava-se fora em lugares desertos; e de todas as partes iam ter com ele”; (Mc 1.39-45).

     Jesus tinha diversidade ministerial. Ele ensinava na sinagoga. Ele vai para a rua e ministra na vida do leproso. Pois o leproso não poderia estar dentro da sinagoga, ele tinha que estar na rua, fora da cidade do arraial (cidade, vila, comunidade).“Leproso é aquele homem; imundo está; o sacerdote o declarará totalmente por imundo; na sua cabeça tem a sua praga. Também as vestes do leproso, em quem está a praga, serão rasgados, e a sua cabeça será descoberta; e cobrirá o beiço superior e clamará; Imundo, imundo. Todos os dias em que a praga estiver nele, será imundo; imundo está, habitará só; a sua habitação será fora do arraial”; (Lv 13.44-46). 

     O leproso se arriscou em ir à cidade, pois poderia ser apedrejado e morto. Ele queria pedir algo para Jesus: “Se queres, bem podes limpar-me”; (Mc 1.40). Pela Lei Mosaica somente o sacerdote podia e tinha autoridade para limpa-lo. ”Depois, falou o Senhor a Moisés, dizendo: Esta será a lei do leproso no dia da sua purificação: será levado ao sacerdote; e o sacerdote sairá fora do arraial e o sacerdote, examinando, eis que, se a praga da lepra do leproso for sarada”; (Lv 14.1-3). O leproso reconheceu o sacerdócio de Jesus e soube pedir para Ele. Jesus movido de grande compaixão pois o leproso estava honrando, glorificando e exaltando o seu Nome, não exitou-se em abençoá-lo. Jesus logo lhe estendeu a mão, e tocou-o. Quem sabe honrar e glorificar ao Senhor sempre receberá este tratamento da parte Dele. "E Jesus, movido de grande compaixão, estendeu a mão, e tocou-o, e disse-lhe: Quero, sê limpo”; (Mc 1.41). “E, tendo ele dito isto, logo a lepra desapareceu, e ficou limpo”; (Mc 1.42). A palavra de comando foi decretada no mundo espiritual. Jesus falou, ta falado! Logo, ou seja, na hora, imediatamente a lepra desapareceu, e o leproso ficou limpo. Jesus era estratégico ele sabia que teria problemas, Já te curei! Vai em paz. Os escribas e fariseus estão aqui, mas mostra-te ao sacerdote! Pois ele fez algo que não era suposto Ele ter realizado aos olhos humanos. Pois como já observamos somente o sacerdote teria o direito pela lei de Moíses a curar e declarar limpo aquele leproso. "E, advertindo-o severamente, logo o despediu. E disse-lhe: Olha, não digas nada a ninguém; porém vai, mostra-te ao sacerdote e oferece pela tua purificação o que Moisés determinou, para lhes servir de testemunho”; (Mc 1.43,44). 

Aquele ex-leproso tinha que ir ao sacerdote, pois era a Lei. Logicamente não seria necessária a realização de todo o ritual de purificação. Pois o leproso foi curado por Jesus, Mas o leproso tinha que ser introduzido ao arraial pelo sacerdote e dá a sua oferta. O interessante da oferta é que ela era estipulada conforme as condições financeiras da pessoa. Ou seja, não tinha a desculpa da pessoa não poder oferta nada. Quem não tinha cordeiro, ofertava dois pombinhos, se não tinha pombinhos, ofertava a dízima de uma flor de farinha (trigo). “E o sacerdote oferecerá o holocausto e a oferta de manjares sobre o altar; assim, o sacerdote fará expiação pelo homem, e este será limpo. Porém, se for pobre, e a sua mão não alcançar tanto, tomará um cordeiro para expiação da culpa em oferta de movimento, para fazer expiação por ele, e a dízima de flor de farinha, amassada com azeite, para oferta de manjares, e um logue de azeite, e duas rolas, ou dois pombinhos, conforme alcançar a sua mão, dos quais um será para expiação do pecado, e o outro para holocausto”; (Lv 14.20-22). Jesus pediu para o ex-leproso não dizer nada! "E, advertindo-o severamente, logo o despediu. E disse-lhe: Olha, não digas nada a ninguém”; (Mc 1.43). "Mas, tendo ele saído, começou a apregoar muitas coisas e a divulgar o que acontecera; de sorte que Jesus já não podia entrar publicamente na cidade, mas conservava-se fora em lugares desertos; e de todas as partes iam ter com ele”; (Mc 1.39-45). Ele falou tanto de Jesus, que Jesus não podia mais entrar na cidade. Jesus tomou o lugar do ex-leproso. Ele toma o nosso lugar, agora o ex- leproso podia entrar na cidade, e Jesus e quem não podia entrar mais na cidade. Jesus tomou o lugar do leproso, Jesus lhe deu o direito de viver na cidade. Lepra é tipologia de pecado. Jesus levou sobre si os nossos pecados. E purificados e limpos nós podemos entrar na cidade de ouro a Nova Jerusalem Celestial. Sem lepra temos acesso a Deus. 

Graça & Paz.

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.