Dirá o barro ao que o formou: Que fazes?

15 de março de 2012

Dirá o barro ao que o formou: Que fazes?


      “A palavra do Senhor, que veio a Jeremias, dizendo: Levanta-te, e desce à casa do oleiro, e lá te farei ouvir as minhas palavras. E desci à casa do oleiro, e eis que ele estava fazendo a sua obra sobre as rodas. Como o vaso que ele fazia de barro se quebrou na mão do oleiro, tornou a fazer dele outro vaso, conforme o que pareceu bem aos seus olhos fazer. Então, veio a mim a palavra do Senhor, dizendo: Não poderei eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? diz o Senhor; Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel”; (Jr 18.1-6).

     Existem três elementos no contexto geral desta passagem bíblica. Três elementos distintos (diferentes). OLARIA (casa do oleiro) – Fábrica de produtos de cerâmica, lugar de fazer vasos de barro. OLEIRO – É o ceramista, o profissional criador, o fazedor das peças de barro. VASO – É a peça de barro, o produto oriundo da olaria. Uma olaria é algo muito simples, normalmente se tem um forno, igual ao fogão de lenha. Uma torneira com uma mangueira, quatro pedaços de paus para se ter a base, e o telhado. O essencial para a produção das peças de cerâmica e ter muito barro e muita água. Barro tirado das beiradas dos rios, de dentro de buracos, de fossas, lamaçal e de barrancos. O oleiro não precisa de utilizar-se de  um uniforme sofisticado para realizar o seu ofício, ele tem que se estar bem a vontade, normalmente ele usa uma vestimenta simples. A olaria é uma arte que consiste em o oleiro ser capaz de pegar um pouco de barro informe e transformá-lo num vaso lindo, em uma obra de arte. E o processo é muito lindo, desde o lamaçal, passando pela roda (moinha), pelo forno até chegar a prateleira. Caro leitor durante esses poucos minutos que você esta lendo esse artigo, você não terá nome, você será conhecido como vaso. Neste texto bíblico o teu nome é vaso. “Levante e desce à casa do oleiro, e lá te farei ouvir as minhas palavras. E desci à casa do oleiro, e eis que ele estava fazendo a sua obra sobre as rodas”; (Jr 18.2,3). 
    
     O profeta Jeremias escutou e desceu a casa do oleiro. Ele foi obediente e na casa do oleiro, o profeta percebeu como era o processo de fabricação de um vaso. O oleiro pedalava uma grande roda que ao girar-se, ele ia moldando a peça conforme o seu querer, conforme a sua vontade. Nós somos moldados pelo oleiro, com o propósito de renunciarmos à nossa própria vontade, para começarmos a fazer a vontade de Deus. O barro nunca dirá ao oleiro que tipo de vaso ele quer ser! É o oleiro quem decide o que fazer e como fazer! Qual será a utilização do vaso! “Ai daquele que contende com o seu Criador, caco entre outros cacos de barro! Porventura, dirá o barro ao que o formou: Que fazes? Ou a tua obra: Não tens mãos?”; (Is 45.9). Quem é o oleiro? Deus. E quem é o vaso? Eu e você somos vasos, somos nós. O oleiro só trabalha, Ele so molda, se o vaso permitir. O oleiro vai fazer de cada um de nós aquilo que Ele já planejou. Se deixarmos, Ele vai nos moldado, se resistirmos quebramos. Então, Ele começa todo o processo novamente. “Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade”; (Fp 2.13).O profeta Jeremias viu todo o processo. Ele percebeu que o vaso se quebrou nas mãos do oleiro: “Como o vaso que ele fazia de barro se quebrou na mão do oleiro”; (Jr 18.4a).  Jeremias viu, ele presenciou que o vaso que o oleiro fazia se quebrou! Isso é serio. O vaso quebrou nas mãos de Deus. Tem vaso que se quebra dentro da Igreja. Tem vaso que não deixa tirar-lhe as impurezas, as arestas, as sujeiras que impedem de se conseguir a liga do próprio barro com si mesmo. Alguns motivos pelos quais alguns vasos se quebram: Tem vaso que é orgulhoso – “Se eu não pegar e fazer isso, nada vai acontecer”;  “Se eu não participar não vai dar certo”. 

Esse tipo de vaso ten a tendência de achar, que Deus precisa muito dele para realizar a obra. Tem vaso que não sabe servir  – Nunca será servido, não aceita a submissão, não respeita as decisões, não respeita e nem aceita as autoridades superiores. E contra tudo e todos. Tem vaso que não aceita a sua posição – Tem vaso que depois de pronto ele vai para a feira, outro para o mercado. Tem vaso que é agraciado e vai parar na sala de uma casa, e nesta sala ele é colocado no centro, tem que ser visto por todos. Tem vaso que já é colocado no canto. Entenda isso, é verdade, tem vaso que tem que ficar escondido. Ele é coluna, é a base por dentro da alvenaria. Ele foi feito, para ficar no canto, é a função dele. Se a porta se abre, nem se consegue vê-lo.  Abriu-se a porta, cadê o vaso, esta atrás! Tem vaso que a função dele é ficar no canto, mas ele quer ficar no centro. Tem vaso que quer ficar no canto, mas foi criado para ficar no centro. O vaso que esta no centro, este vaso é visto por todos, ele é notado. Afinal ele esta no centro. Muito cuidado! Vaso no centro tem maior facilidade de se quebrar, porque esta no meio, no meio passam muitas pessoas, tem que ser limpo com mais frequência. No cantinho o risco é menor. Vaso não questione a sua posição. Foi Deus quem te colocou ai, fica ai! Eu não sei a onde você esta, se é no centro ou no canto. Se você for sair do canto, será Deus, Será Ele quem irá te mover para o centro. Situação maravilhosa é a de ser movido do canto para o centro, situação vergonhosa é a de ser movido do centro para o canto! E quando é preciso, Deus movê! “Tornou a fazer dele outro vaso, conforme o que pareceu bem aos seus olhos fazer”; (Jr 18.4b).   Deus pega os cacos do vaso que se quebrou e faz um outro vaso, e o melhor, faz um vaso novo! Enquanto nós não estivermos do jeito, da maneira que Ele quer, nós vamos quebrando e Ele vai nós arrumando. Ele conhece a sua e a minha capacidade, Ele sabe a onde te colocar. Vaso, aceite o trabalhar de Deus. Eu preciso ser trabalhado e você também. “E ele o quebrará como se quebra o vaso do oleiro”; (Is 30.14). Ele te fará um vaso melhor, Ele te fará um vaso de honra para ser usado por Ele! 

 “Mas, agora, Ó Senhor, tu és o nosso Pai; nós, o barro, e tu, o nosso oleiro; e todos nós, obra das tuas mãos”; (Is 64.8).

     Como se fabrica um vaso de barro? Existe um processo, são quatro etapas pelas quais  o vaso passa antes de estar pronto, aprovado, testado! Fases importantes do feitio de um vaso antes de poder ser usado como vaso! (1) Barro - Qual é a matéria prima do vaso? Barro, que é tirado da fossa, do lamaçal.  “Tirou-me de um lago horrível, de um charco de lodo: pôs os meus pés sobre uma rocha, firmou os meus passos”; (Sl 40.2). O barro é frágil – Fácil de romper-se ou de se quebrar: Pouco vigor; fraco, débil. Pouco estável; de duração transitória. O barro é tirado da terra – Toda a inclinação do barro é terrena, é limitado a esta terra, visão de baixo, visão do homem. “Pois ele conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó”; (Sl 103.14). (2) Mesa – Depois o barro é colocado na mesa para que o oleiro o molde. Detalhe, não pode ter nenhuma presença de outro elemento a não ser o barro, se tiver areia, pedra ou pedaço de madeira, o oleiro ira sentir ao tocar a peça com a sua sensibilidade e a peça fatalmente se quebrará. O oleiro não pode se descuidar um momento se quer da peça, e ele nunca perde o contato com a peça quando ela esta na mesa. Esta tudo rodando? Você esta na roda, na moinha da mesa. Você esta sendo girado na mesa de Deus ele esta de moldando é para ficar tonto mesmo. (3) Prateleira – Depois de passar pela mesa, pela roda da moinha a peça é colocada na prateleira para se secar (Moisés, Davi, Elias e Jesus estiveram na prateleira). Muitas pessoas não entendem esta parte. 

(4) Fogo – Saindo da prateleira o vaso vai para o forno, vem o processo do fogo, aguentar a pressão, o calor causticante do deserto. “Para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo”; (1 Pe 1.7).  É a aprovação final. Se o vaso não passar pelo fogo, ele não será vaso! Muitos vasos acham que já estão prontos! Eu era barro, passei pela mesa, pela prateleira, para que fogo? O vaso para se estar pronto necessita-se de estar no forno, receber muito calor, muita pressão. Muitos de nós nem forma de vasos temos ainda, estamos ainda nas mãos do oleiro. Alguns estão na mesa, outros estão na prateleira, outros já estão entrando no forno. Alguns estão saindo. Tem que se esperar o processo. Tem vaso que ainda não é vaso, ainda não esta pronto e acha que já esta! O mais importante: VASO NÃO RECEBE GLÓRIA. O segredo não é o vaso. O conteúdo do vaso é o que importa. Você pode ser um vaso de cerâmica, de louça, de vidro, de ouro, de prata, bronze, ferro. Mas sempre será oco por dentro. Tem que se colocar algo, tem que se ter alguma coisa dentro do vaso para ele ser chamado de vaso. Você esta cheio de que? Se não for do Espírito Santo. Você não é vaso! Quem brilha na vida do vaso é o Espírito Santo de Deus! Davi escreveu:“Estou esquecido no coração deles, como um morto; sou como um vaso quebrado”; (Sl 31.12). Como um vaso quebrado? Como conjução de igualdade, da mesma forma e não de fato. Talves você que esta lendo esse artigo nesse momento esta como um vaso quebrado, esquecido. Mas você não é quebrados e nem esquecido. Davi estava esquecido, como um morto jogado em um canto. Tem momentos em nossas vidas que nós nos sentimos desta forma. Na nossa ótica humana, nós estamos esquecidos, mas na realidade estamos nas mãos do oleiro. "Temos, porém, esse tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós”; (2 Co 4.7). Você é portador de um tesouro valioso, ao qual Satanás esta utilizando de sua astúcia para tentar ti roubar. Vaso de barro guarde o que você tem, por que é muito valioso! O que é? O que será? É algo tão valioso que dinheiro nenhum, riqueza alguma do mundo tem a condição de valor para comprar.  Lembre-se que dentro de nós existe a maravilhosa habitação da 3ª Pessoa da Divindade o Espírito Santo. O penhor, o selo que garante a salvação e a nossa entrada na Nova Jerusalém Celestial! Por isso o vaso tem que ser oco, para ser cheio de água por dentro. Vaso, você carrega a sua preciosa salvação, adquirida pelo sacrifício de Jesus Cristo na cruz do calvário.  


Graça & Paz.

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.