Tudo sofre? Tudo espera? Tudo suporta?

15 de junho de 2015

Tudo sofre? Tudo espera? Tudo suporta?


    “O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece, não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta”; (1 Co 13.4-7). 

     O QUE É AMOR? amor eterno e verdadeiro, é  o tipo de amor que a sua qualidade de amar  satisfaz plenamente o espírito, a alma e o corpo do homem. Pelo fato do homem (genericamente; Homem & Mulher) ser um ser psicossomático (espírito, alma e corpo). As vezes se  confunde a forma de se expressar o tipo e a qualidade real do amor. Existem três tipos de amor, três qualidades de amar que são erradamente confundidas com um só tipo de amor. o Amor do corpo; “SENSORIAL” (eros)É o amor físico; erótico, de instinto animal.  Vem da mitologia grega. É a forma de amar da carne (mente). Este amor se concentra na paixão da carne (alma e corpo)“E eu, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a meninos em Cristo. Com leite vos criei, e não com manjar, porque ainda não podíeis, nem tampouco ainda agora podeis, Porque ainda sois carnais, pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois porventura carnais, e não andais segundo os homens? Porque, dizendo um: Eu sou de Paulo; e outro: Eu, de Apolo; porventura, não sois carnais?”; (1 Co 3.1-4).  Observe que o apóstolo Paulo refere-se há pessoas cristãs (irmãos, igreja) e não há ímpios. Havia dissensões, divisões, intrigas e confusões. Estava faltando o amor verdadeiro e genuíno entre os irmãos de Corinto. 

O AMOR DA ALMA; “PSÍQUICO” (FILOS): É o amor natural do homem para todas as coisas. Essa forma de amor é voluntário, ele explora os sentidos físicos do nosso corpo. Essa forma de amor utiliza os sentimentos e instintos da nossa natureza humana. Mas de uma forma moral e justa através da nossa alma. Lembre-se  que a nossa alma tem atributos. Em nossa alma esta a nossa vontade, intelecto e sentimento. São esses atributos que influenciam o controle da nossa mente. Influenciam o nosso caráter, a nossa personalidade e também os nossos temperamentos. Nessa forma de amar o homem tem a capacidade de amar a várias pessoas ao mesmo tempo (pais, filhos, irmãos, amigos, parentes). O AMOR DO ESPÍRITO (ÁGAPE): É o amor verdadeiro. É um amor vertical (de Deus para o homem) e horizontal (do homem para o próximo). Este amor é fruto do Espírito Santo. Sem o amor ágape nada tem sentido. É sobre esse amor pleno e real o qual o apóstolo Paulo esta explicando. Amor não é uma opção, é um mandamento (eu tenho que amar). 

     “Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros”; (Jo 13.34,35). “Porquanto tão encarecidamente me amou, também eu o livrarei; pô-lo-ei em retiro alto, porque conheceu o meu nome”; (Sl 91.14). Tem que se amar a Deus. Ele livra os que o ama. Ele protege os que o ama. Ele verdadeiramente é conhecido. Ele é o Deus de quem o conhece. “Por isso te digo que os seus muitos pecados lhe são perdoados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco é perdoado pouco ama”; (Lc 7.47). Quem sabe realmente amar, sabe também perdoar na mesma proporção. “Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta”; (1 Co 13.7). TUDO SOFRE; “De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele”; (1 Co 12.26). TUDO CRÊ; “Ora, o Deus de esperança vos encha de todo gozo e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo”; (Rm 15.13). TUDO ESPERA; “Esperei com paciência no Senhor, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor”; (Sl 40.1). TUDO SUPORTA; “Mas nós que somos fortes devemos suportar as fraquezas dos fracos e não agradar a nos mesmos. Portanto, cada um de nós agrade ao seu próximo no que é bom para edificação”; (Rm 15.1). Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna; (Jo 3.16). 


Graça & Paz.

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.