Quem é Jesus nos 4 Evangelhos?

15 de outubro de 2012

Quem é Jesus nos 4 Evangelhos?


     “Tendo, pois, muitos empreendido pôr em ordem a narração dos fatos que entre nós se cumpriram, segundo nos transmitiram os mesmos que os presenciaram desde o princípio, e foram ministros da palavra, pareceu-me também a mim conveniente descrevê-los a ti, ó excelentíssimo Teófilo, por sua ordem, havendo-me já informado minuciosamente de tudo desde o princípio, para que conheças a certeza das coisas de que já estás informado”; (Lc 1.1-4).

Os Evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas são sinópticos “semelhança de versões”. O Evangelho de João é mais completo e específico ao revelar as obras do ministério de Cristo. Cada um dos 4 Evangelhos mostram uma das facetas da face dos querubins para a manifestação do ministério de Jesus Cristo. O Evangelho de Lucas entre os Evangelhos é o único que tem uma coordenação exegética dos fatos. Teófilo era gentil e rico, ele contratou ao Dr. Lucas, único escritor gentio do Novo Testamento, para fazer uma coordenação minuciosa dos fatos ocorridos à cerca da vida de Jesus. As faces dos querubins são a manifestação do ministério de Cristo. “E tinham mãos de homem debaixo das suas asas, aos quatro lados; e assim todos quatro tinham seus rostos e suas asas. Uniam-se as suas asas uma à outra; não se viravam quando andavam; cada qual andava diante do seu rosto. E a semelhança do seu rosto era como o rosto de homem; e, a mão direita, todos os quatro tinham rosto de leão, e, a mão esquerda, todos os quatro tinham rosto de boi, e também rosto de águia, todos os quatro”; (Ez 1.8-10). 

      Existe um selo de autenticidade no Evangelho de Lucas, ou seja, todos os milagres e fatos ocorridos na vida de Jesus foram conferidos e confirmados minuciosamente pelo doutor Lucas. Exemplo: O paralítico foi curado! Então vamos conversar com este paralítico para ver como é que foi que aconteceu para relatarmos os fatos e autenticá-los. No Evangelho de Mateus, Jesus Cristo é Rei. O filho de Davi, o descendente direto ao trono de Israel. Nesse Evangelho Jesus é representado atraves da faceta de leão. Foi escrito para os judeus cristãos que estavam dispersos. “E eis que em teu ventre conceberás, e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus. Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai, e reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu Reino não terá fim”; (Lc 1.31-33). “Eis que vêm dias, diz o Senhor, em que levantarei a Davi um Renovo justo; sendo rei, reinará e prosperará, e praticará o juízo e a justiça na terra”; (Jr 23.5). Jesus Cristo é descendente direto de Abraão. “E livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão. Porque, na verdade, ele não tomou os anjos, mas tomou a descendência de Abraão. Pelo que convinha que, em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo”; (Hb 2.15-17). Jesus Cristo e a Sua ligação com o sacerdócio de Melquisedeque. “E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; e este era sacerdote do Deus Altíssimo. E abençoou-o, e disse: Bendito seja Abrão do Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra; E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E deu-lhe o dízimo de tudo”; (Gn 14.18-20). A genealogia de Jesus no Evangelho de Mateus é real (realeza), e esta em ordem crescente. “Livro da geração de Jesus Cristo, Filho de Davi, Filho de Abraão. Abraão gerou a Isaque, e Isaque gerou a Jacó, e Jacó gerou a Judá e a seus irmãos, e Judá gerou de Tamar a Perez e a Zerá, e Perez gerou a Esrom, e Esrom gerou a Arão. Arão gerou a Aminadabe, e Aminadabe gerou a Naassom, e Naassom gerou a Salmom, e Salmom gerou de Raabe a Boaz, e Boaz gerou de Rute a Obede, e Obede gerou a Jessé. Jessé gerou ao rei Davi, e o rei Davi gerou a Salomão da que foi mulher de Urias. Salomão gerou a Roboão, e Roboão gerou a Abias, e Abias gerou a Asa, e Asa gerou a Josafá, e Josafá gerou a Jorão, e Jorão gerou a Uzias, e Uzias gerou a Jotão, e Jotão gerou a Acaz, e Acaz gerou a Ezequias. Ezequias gerou a Manassés, e Manassés gerou a Amom, e Amom gerou a Josias, E Josias gerou a Jeconias e a seus irmãos na deportação para Babilônia. E, depois da deportação para a Babilônia, Jeconias gerou a Salatiel, e Salatiel gerou a Zorobabel, e Zorobabel gerou a Abiúde, e Abiúde gerou a Eliaquim, e Eliaquim gerou a Azor, e Azor gerou a Sadoque, e Sadoque gerou a Aquim, e Aquim gerou a Eliúde, e Eliúde gerou a Eleázar, e Eleázar gerou a Matã, e Matã gerou a Jacó, e Jacó gerou a José, marido de Maria, da qual nasceu Jesus, que se chama o Cristo” ; (Mt 1.1-16).

     O Evangelho de Marcos apresenta a Jesus Cristo como servo. Por isso é também representado pela faceta de boi. Pois Ele veio para servir e servo não tem genealogia, não tem direito algum.Por causa disso não consta genealogia de Jesus nesse Evangelho. Foi escrito para os romanos cristãos. O Evangelho de Marcos relata o resgate dos direitos adquiridos por Jesus. O Código de Hamurabi é um dos mais antigos conjuntos de leis escritas já encontrados, e um dos exemplos mais bem preservados deste tipo de documento da antiga Mesopotâmia. Elaborado pelo rei Hamurabi por volta de 1700 a.C.. É um monumento monolítico talhado em rocha de diorito, sobre o qual se dispõem 46 colunas de escrita cuneiforme acádica, com 282 leis em 3600 linhas. A peça tem 2,25 m de altura, 1,50 metro de circunferência na parte superior e 1,90 na base. Como se percebe, o império romano não foi o primeiro império a ter leis complexas, mas foi o primeiro império a utilizar em ação conjunta os três poderes; executivo, judiciário e legislativo. O Evangelho de Lucas, apresenta a Jesus Cristo, como o filho do homem. A ênfase é em sua forma humana, ou seja, a semente da mulher. Logicamente é representado pela faceta de homem. E a sua genealogia racial e humana esta em ordem decrescente. “E o mesmo Jesus começava a ser de quase trinta anos, sendo (como se cuidava) filho de José, e José de Eli, e Eli de Matate, e Matate, de Levi, e Levi, de Melqui, e Melqui, de Janai, e Janai, de José, e José, de Matatias, e Matatias, de Amós, e Amós, de Naum, e Naum de Esli, e Esli, de Nagai, e Nagaí, de Máate, e Máate, de Matatias, e Matatias, de Semei, e Semei de José, e José, de Jodá, e Jodá de Joanã, e Joanã, de Resá, e Resá, de Zorobabel, e Zorobabel, de Salatiel, e Salatiel, de Neri, e Neri, de Melqui, e Melqui, de Adi, e Adi, de Cosã, e Cosã, de Elmadã, e Elmadã, de Er, e Er de Josué, e Josué, de Eliézer, e Eliézer, de Jorim, e Jorim, de Matate, e Matate, de Levi, e Levi de Simeão, e Simeão, de Judá, e Judá de José, e José, de Jonã, e Jonã, de Eliaquim, e Eliaquim de Meleá, e Meleá de Mená, e Mená, de Matatá, e Matatá de Natã, e Natã, de Davi, e Davi, de Jessé, e Jessé, de Obede, e Obede, de Boaz, e Boaz, de Salá, e Salá de Naassom, e Naassom, de Aminadabe, e Aminadabe, de Admim, e Admim, de Arni, e Arni, de Esrom, e Esrom, de Perez, e Perez, de Judá, e Judá, de Jacó, e Jacó, de Isaque, e Isaque, de Abraão, e Abraão, de Terá, e Terá, de Naor, e Naor, de Seruque, e Seruque, de Ragaú, e Ragaú, de Faleque, e Faleque, de Éber, e Éber, de Salá, e Salá de Cainã, e Cainã, de Arfaxade, e Arfaxade, de Sem, e Sem, de Noé, e Noé, de Lameque, e Lameque, de Matusalém, e Matusalém, de Enoque, e Enoque, de Jarede, e Jarede, de Maalalel, e Maalalel, de Cainã, e Cainã, de Enos, e Enos, de Sete, e Sete, de Adão, e Adão, de Deus”; (Lc 3.23-38). Foi escrito aos gregos cristãos. Deus escolheu um doutor gentio (uma pessoa que não é judeu) para escrever para a Grécia que era o berço da Filosofia da época, com o seu Helenismo. Lucas nasceu na cidade de Antioquia, na Síria Antiga.

     O Evangelho de João, Jesus Cristo é apresentado como o Filho de Deus. Jesus é Deus! “No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez”; (Jo 1.1-3). A faceta desse Evangelho é a águia; “O caminho da águia no céu”; (Pv 30.19a).  A águia é vista simbolicamente como representação, tipologia, analogia de grandeza e majestade. “De sorte que a tua mocidade se renova como a águia”; (Sl 103.5). Águia representa renovação em tudo (visão, penas, bico, garras). No Evangelho de João não existe genealogia crescente e nem decrescente. Ele é Deus. Jesus sempre existiu. É um Evangelho espiritual. Representa a personalização e a encarnação do Verbo, do “Logos”. Foi escrito para a Igreja dispersa, em meio às falsas doutrinas. No Evangelho de João, Jesus Cristo realiza o Seu ministério quase sempre em Jerusalém. Enquanto nos Evangelhos sinópticos (Mateus, Marcos e Lucas), Ele realiza o Seu ministério na Galiléia. O ministério de Jesus Cristo, relatado no Evangelho de João, apresenta a Sua atuação pública por dois ou três anos. Enquanto nos Evangelhos sinópticos toda a aparição de Jesus se reduz básicamente a um período de um ano.

Graça & Paz.

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.