Quem é o rei e sacerdote Melquisedeque?

15 de julho de 2016

Quem é o rei e sacerdote Melquisedeque?

    

      “Porque este Melquisedeque, que era rei de Salém e sacerdote do Deus Altíssimo, e que saiu ao encontro de Abraão quando ele regressava da matança dos reis, e o abençoou; a quem também Abraão deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz; sem pai, sem mãe, sem genealogia, (por que ele não fazia parte da descendência de Sem, ele era descendente maldito de Cam) não tendo princípio de dias nem fim de vida, (por ser sacerdote do sacerdócio universal eterno), mas, sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece sacerdote para sempre. Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Abraão deu os dízimos dos despojos. E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham descendido de Abraão. Mas aquele, cuja genealogia não é contada entre eles (Eles quem? Os descendentes de Sem, os semitas), tomou dízimos de Abraão, e abençoou o que tinha as promessas. Ora, sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo maior. E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ali, porém, aquele de quem se testifica que vive. E, para assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos. Porque ainda ele estava nos lombos de seu pai quando Melquisedeque lhe saiu ao encontro. De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio levítico (porque sob ele o povo recebeu a lei), que necessidade havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque, e não fosse chamado segundo a ordem de Arão? (Levítico) Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei. Porque aquele de quem essas coisas se dizem pertence a outra tribo, da qual ninguém serviu ao altar, visto ser manifesto que nosso Senhor procedeu de Judá, e concernente a essa tribo nunca Moisés falou de sacerdócio. E muito mais manifesto é ainda se, à semelhança de Melquisedeque, se levantar outro sacerdote, que não foi feito segundo a lei do mandamento carnal, mas segundo a virtude da vida incorruptível. Porque dele assim se testifica: Tu és sacerdote eternamente, segundo a ordem de Melquisedeque”; (Hb 7.1-17). 

      “E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho (elementos do PPVCA, tipo do Corpo e Sangue de Cristo, tipificando a Ceia do Senhor); e este era sacerdote do Deus Altíssimo. E abençoou-o e disse: Bendito seja Abrão do Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra; e bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E deu-lhe o dízimo de tudo”; (Gn 14.18-20). 

    Existêm tantas heresias escritas a cerca de Melquisedeque por causa da má interpretação exegética e hermenêutica desses textos. Alguns dizem que ele nunca existiu, outros afirmam que ele é o próprio Cristo. Mas, para ser sacerdote, 1º tinha que ser homem, e 2º, ser descendente de um dos patriarcas de Deus. Melquisedeque era descendente direto de Cam, o maldito. Mas abençoou a Abraão descendente de Sem, o bendito! Abrão retirou a maldição da terra ao dizimar, e Melquisedeque ao receber o dízimo e abençoar a Abrão também foi abençoado. Melquisedeque era rei de Salém, capital da Canaã, (atual Jerusalém, capital de Israel). Ele  era sacerdote de Deus. O patriarca Abrão recebeu o pão e vinho de Melquisedeque e deu-lhe o dízimo de tudo. Melquisedeque era cananeu, descendente direto de Cam, filho de Noé. Ele tinha o conhecimento sobre Deus e o PPVCA (Primícias, Pão, Vinho, Cordeiro, Altar). Melquisedeque era rei, sacerdote e servia verdadeiramente ao Deus verdadeiro no meio do seu povo cananeu. Mas apesar disso ele estava incluído na maldição da terra e do povo. Melquisedeque entendeu que abençoando ao patriarca Abrão, Deus retiraria a maldição imposta sobre eles (os cananeus) e também sobre terra. Por que Deus abençoaria a quem abençoasse a Abrão, assim automaticamente a maldição foi retirada quando sacerdote Melquisedeque abençoou ao patriarca Abrão. Melquisedeque aparece como sacerdote para ser tipo de Jesus como o nosso Sumo Sacerdote. Os elementos são pão e vinho, e ele os trouxe a Abraão somente depois da guerra dos reis. Tipifica a parousia de Jesus para levar a Sua Noiva para a Sua bodas. O próprio Pai, consagrou ao Filho na ordem sacerdotal de Melquisedeque! “Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha mão direita, até que ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés. O Senhor enviará o cetro da tua fortaleza desde Sião, dizendo: Domina no meio dos teus inimigos. O teu povo será mui voluntário no dia do teu poder; nos ornamentos de santidade, desde a madre da alva, tu tens o orvalho da tua mocidade. Jurou o Senhor, e não se arrependerá: tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque”; (Sl 110.1-4).

     Quando chegou, quando veio depois da guerra. Melquisedeque foi um tipo das bodas do Cordeiro, que será realizada após a vitória da Igreja na luta contra os seus adversários! O pão e o vinho, são tipos de Cristo. Melquisedeque pertencia a uma ordem diferente da ordem do sacerdócio levítico de Arão, sua ordem tipifica o caráter eterno e a autoridade do sacerdócio de Jesus. “E, visto como não é sem prestar juramento (porque certamente aqueles, sem juramento, foram feitos sacerdotes, Mas este, com juramento, por aquele que lhe disse: Jurou o Senhor, e não se arrependerá; Tu és sacerdote eternamente, segundo a ordem de Melquisedeque); de tanto melhor concerto Jesus foi feito fiador. E, na verdade, aqueles foram feitos sacerdotes em grande número, porque pela morte, foram impedidos de permanecer, Mas este, porque permanece eternamente, tem um sacerdócio perpétuo. Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles. Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores e feito mais sublime do que os céus, que não necessitasse, como os sumos sacerdotes, de oferecer cada dia sacrifícios, primeiramente, por seus próprios pecados e, depois, pelos do povo; porque isso fez ele, uma vez, oferecendo-se a si mesmo. Porque a lei constitui sumos sacerdotes a homens fracos, mas a palavra do juramento, que veio depois da lei, constitui ao Filho, perfeito para sempre”; (Hb 7.20-28). Jesus Cristo como o sumo sacerdote do sacerdócio universal da ordem de Melquisedeque, não pode ter sucessores devido a sua perpetuidade. E não pode ter antecessor devido a Ele ser o único sacerdote capaz de oferecer o sacrifício de Si mesmo a Deus. O sacerdócio de Melquisedeque é universal, sem limites, perpétuo, superior, intransmissível, real, adornado de moral e designado divinamente.

Graça & Paz.

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.