O que representa a estátua de Nabucodonosor?

15 de julho de 2013

O que representa a estátua de Nabucodonosor?


     “Tu, ó rei, estavas vendo, e eis aqui uma grande estátua; essa estátua, que era grande, e cujo esplendor era excelente, estava em pé diante de ti; e a sua vista era terrível. A cabeça daquela estátua era de ouro fino; o seu peito e os seus braços de prata; o seu ventre e as suas coxas de cobre; as pernas, de ferro; os seus pés, em parte de ferro e em parte de barro. Estavas vendo isso, quando uma pedra foi cortada, sem mão, a qual feriu a estátua nos pés de ferro e de barro e os esmiuçou. Então, foi juntamente esmiuçado o ferro, o barro, o cobre, a prata e o ouro, os quais se fizeram como pragana das eiras do estio, e o vento os levou, e não se achou lugar algum para eles; mas a pedra que feriu a estátua, se fez um grande monte e encheu toda a terra”; (Dn 2.31-35).

O PRIMEIRO REINO / O IMPÉRIO BABILÔNICO; (605 – 539) a.C.
     
     “Tu, ó rei, és rei de reis, pois o Deus dos céus tem dado o reino, e o poder, e a força, e a majestade. E, onde quer que habitem os filhos de homens, animais do campo e aves do céu, ele tos entregou na tua mão e fez que dominasses sobre todos eles; tu és a cabeça de ouro”; (Dn 2.37,38). O rei Nabucodonosor, foi descendente, filho de Nabupolassar. Seu reinado tem início em 605 a.C. Tornou-se o principal soberano de sua época, e transformou a Babilônia na rainha do mundo. Líder militar de grande energia e crueldade, ele aniquilou os fenícios e obteve a hegemonia no Oriente Médio, com a exceção somente do Egito. Na 2ª metade do século VI a.C., Nabucodonosor conquistou a cidade Jerusalém, e realizou a 1ª deportação de judeus para a Mesopotâmia, para o cativeiro babilônico. 

A Babilônia foi à capital da antiga Suméria e Acádia, no sul da Mesopotâmia. Hoje o Iraque, localizava-se a aproximadamente 80 km ao sul da região que atualmente é a cidade de Bagdá.O nome Babilônia (Babil ou Babilu em babilônico) significa “Porta de Deus”. Mas, no hebraico antigo, babel “semita”, significa “confusão” (por causa do episódio da torre de babel). A Babilônia estava tipificada na estátua como a cabeça de ouro, porque toda a cultura, a inteligência e a sabedoria daquela época estavam centralizadas na Babilônia. O povo babilônico foi muito avançado para a sua época, demonstrando grandes conhecimentos em Arquitetura, Agricultura, Astronomia e Advocacia. O domínio do Império Babilônico foi muito curto, durou somente um período de 66 anos.  

O SEGUNDO REINO / O IMPÉRIO MEDO PERSA; (539 – 330) a.C.

     “... o seu peito e os seus braços de prata ...”; (Dn 2.32a). “E, depois de ti, se levantará outro reino, inferior ao teu”; (Dn 2.39a). O Império Medo Persa foi uma colisão de duas nações (Média “Dario III” e Pérsia “Ciro II”). Juntos eles conquistaram o Império Babilônico em 539 a.C., através de Ciro. Como a prata é inferior ao ouro, o Império Medo Persa foi inferior ao Império Babilônico. Ao contrastar os dois impérios, notamos que apesar do Império Medo Persa ter durado mais tempo, ele foi inferior em luxo e magnificência ao Império Babilônico. Os conquistadores Medos e Persas adotaram a cultura da complexa civilização babilônica, porque as suas estavam muito menos desenvolvidas. O Império Medo foi contemporâneo do Império Babilônico, antes de conquistá-lo. O Império Medo caiu ante Ciro, o rei Persa antes da queda da Babilônia. O rei Dario III reinou em Babilônia por permissão do verdadeiro conquistador, o rei Ciro II, que derrotou o rei Belsazar da Babilônia. Ciro permitiu ao povo judeu o retorno e a reconstrução de Jerusalém. O Império Medo Persa esta tipificada na estátua através dos braços e do peito. Os Medos tinham braços fortes e eram excelentes arqueiros. Os Persas tinham os peitos largos, e eram exímios guerreiros e lutadores. O Império Medo Persa entrou em declínio e governou por 209 anos.

O TERCEIRO REINO / O IMPÉRIO GREGO; (330 – 146) a.C.

     “ ... e um terceiro reino, de metal, o qual terá domínio sobre toda a terra”; (Dn 2.39b). “... o seu ventre e as suas coxas, de cobre ...”; (Dn 2.32). O domínio de Alexandre se estendeu sobre a Macedônia, Grécia e a Pérsia. Incluiu ao Egito e se expandiu pelo Oriente até a Índia. Foi o império mais extenso do mundo antigo. Seu domínio foi “sobre toda a terra” no sentido de que nenhum poder da terra era igual a ele. E não porque cobrisse todo mundo, nem ainda toda a terra conhecida naquele tempo. A Macedônia era uma nação consangüínea situada ao norte da Grécia propriamente dita. A Macedônia conquistou as cidades gregas e as incorporou pela primeira vez a um estado forte e unificado. Alexandre, depois de ter herdado de seu pai o recém engrandecido reino Greco Macedônio se pôs em marcha para estender a dominação Macedônica e a Cultura grega para o Oriente e venceu ao Império Persa. A profecia apresenta o Império da Grécia como um império que viria depois da Pérsia, porque a Grécia nunca se uniu para formar um império até a formação do Império Macedônico. O qual substituiu a Pérsia como o principal poder do mundo daquela época. Os soldados gregos se distinguiam por suas armaduras de cobre (75%). A Grécia estava tipificada na estátua através do ventre e das coxas, porque eles tinham amor ao corpo e as danças eróticas e sensuais. Esse império governou por184 anos.   
    
O QUARTO REINO / O IMPÉRIO ROMANO (DUAS FASES: REPÚBLICA & IMPÉRIO).

      “As pernas, de ferro... ”; (Dn 2.33a). “E o quarto reino será forte como ferro; pois, como o ferro esmiúça e quebra tudo, como o ferro quebra todas as coisas, ele esmiuçara e quebrantará”; (Dn 2.40).

1ª FASE – A REPÚBLICA ROMANA; (539– 27 a.C).
2ª FASE – O IMPÉRIO ROMANO; (19 a.C – 476 d.C).

     O Império Romano estava tipificado na estátua através das pernas, além do poderio dos exércitos romanos serem as grandes táticas de marchas. As pernas são as partes mais longas do corpo, assim como o Império Romano foi o que mais tempo governou (+ de 1000 anos). Cada uma das duas pernas da estátua tipificava a uma das fases desse glorioso império. A República durou 512 anos, e o Império em si se manteve por mais 495 anos. “Esmiúça e quebra tudo”, Tudo o que se pôde reconstruir da história romana confirma esta descrição. Primeiro o Império Romano dominou e depois absorveu, um a um, os 4 reinos que sobraram dos sucessores de Alexandre, e assim chegou a ser o seguinte império após a Grécia de Alexandre. Esse quarto império foi o que mais durou, e foi também o mais extenso dos quatro. No século II d.C. estendia-se desde Inglaterra até o Eufrates. Assim como a Grécia trouxe o Helenismo (Arte, Filosofia, Ética). Roma trouxe as Leis, (Aperfeiçoamento do código de Hamurabi e a utilização da Bíblia Sagrada) Engenharia, Indústria, e normas de civilizações mais utilizadas pelos povos e nações até os dias de hoje. Foi um império duro, como o ferro. Porisso teve várias conquistas! Após o Império Romano, nenhum outro reino, povo ou nação se estabeleceu como os grandes impérios e reinos do passado. Hoje, atualmente no mundo contempôraneo o que vemos são algumas nações dominando importantes áreas no contexto econômico mundial.

     “E, quanto ao que viste dos pés e dos artelhos (dedos), em parte de barro de oleiro e em parte de ferro, isso será um reino dividido; contudo, haverá nele alguma coisa da firmeza do ferro, pois que viste o ferro misturado com barro de lodo. E, como os artelhos (dedos) eram em parte de ferro e em parte de barro, assim por uma parte o reino será forte e por outra será frágil. Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de lodo, misturar- se-ão com semente humana, mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro não se mistura com o barro”; (Dn 2.41-43). Os 10 dedos tipificam a 10 blocos de nações. Durante os séculos II, III e IV d.C., reinos bárbaros vindo do norte, invadiram o decadente Império Romano. 10 das tribos ganharam a maioria do território ocidental e oriental de Roma, e 10 nações distintas e independentes se estabeleceram dentro das fronteiras da Europa (leste, centro e norte). Será que os dedos representam as nações que originaram a Europa atual? Não! Os 10 dedos da estátua não são, não podem ser 10 dos grandes países europeus. A atual unificada união europeia e a sua moeda financeira, pois ferro e barro não se misturam.  O anticristo será (ele tem que ser) judeu, descendente da tribo de Judá, de Davi, oriundo da terra, do seu povo. O seu poder virá dos 10 blocos de nações que estarão apoiando o seu governo, pois no início, essas nações não terão o discernimento de quem verdadeiramente ele é! O ferro – Representa: Poder & Corrupção. O barro – Representa: Justiça & Democracia. Mas haverá um Reino que reinará sobre todas as coisas. Este Reino não terá poder ou ligação humana e virá do Céu. “Foi cortada uma pedra, sem (auxílio) mãos”. Jesus reinará literalmente em Israel e no mundo!

Graça & Paz.

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.