Jesus ressuscitou ao terceiro dia?

15 de maio de 2014

Jesus ressuscitou ao terceiro dia?


     “Pois, como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim estará o Filho do Homem três dias e três noites no seio da terra”; (Mt 12.40).  

     JESUS DISSE QUE RESSUSCITARIA AO TERCEIRO DIA. “Desde então, começou Jesus a mostrar aos seus discípulos que convinha ir a Jerusalém, e padecer muito dos anciãos, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar AO TERCEIRO DIA”; (Mt 16.21).  “Ora, achando-se eles na Galiléia, disse-lhes Jesus: O Filho do Homem será entregue nas mãos dos homens, e matá-lo-ão, e, AO TERCEIRO DIA, ressuscitará. E eles se entristeceram muito”; (Mt 17.23). E TAMBÉM “DEPOIS DE TRÊS DIAS.“E começou a ensinar-lhes que importava que o Filho do Homem padecesse muito, e que fosse rejeitado pelos anciãos, e pelos príncipes dos sacerdotes, e pelos escribas, e que fosse morto, mas que, DEPOIS DE TRÊS DIAS ressuscitaria”; (Mc 8.31). Essas expressões ditas pelo próprio Jesus são usadas alternadamente. Isso pode ser visto no fato de que a maioria das referencias à ressurreição afirmam que ela ocorreu no terceiro dia. O que isso quer dizer? Que Jesus ressuscitou no 3º dia, independente de quantas horas ele ficou no túmulo. Tanto Mateus, Marcos, como os outros evangelistas, o próprio Jesus e os fariseus concordam entre si que Ele disse que ressuscitaria no 3º dia, independente de quantas horas estaria no túmulo. Até os inimigos de Jesus entenderam o significado das profecias sobre a ressurreição. Para eles, “depois de três dias” significava “ao terceiro dia”. 

     “Dizendo: Senhor, lembramo-nos de que aquele enganador, vivendo ainda, disse: DEPOIS DE TRÊS DIAS, ressuscitarei. Manda, pois, que o sepulcro seja guardado com segurança até AO TERCEIRO DIA, não se dê o caso que os seus discípulos vão de noite, e o furtem, e digam ao povo: Ressuscitou dos mortos; e assim o último erro será pior do que o primeiro”; (Mt 27.63,64). Bíblia de Estudo Pentecostal. Após a explicação de: DEPOIS DE TRÊS DIAS,  e AO TERCEIRO DIA, ficará mais fácil para o seu entendimento e para a sua compreensão o porquê de Jesus ter usado a expressão: TRÊS DIAS E TRÊS NOITESOcorreu, aconteceu uma utilização de uma expressão idiomática e não um relato minucioso de precisão de tempo. Ou seja, TRÊS DIAS E TRÊS NOITES = HÁ TRÊS DIASAlguns exemplos disso encontrados em outros textos bíblicos: “Deram-lhe também um pedaço de massa de figos secos e dois cachos de passas, e comeu; e voltou-lhe o seu espírito, porque havia TRÊS DIAS E TRÊS NOITES que não tinha comido pão nem bebido água. Então Davi lhe disse: De quem és tu e de onde és? E disse o moço egípcio: Sou servo de um homem amalequita, e meu senhor me deixou, porque adoeci há TRÊS DIAS”; (1 Sm 30.12,13). “E pô-los juntos em guarda TRÊS DIAS. E AO TERCEIRO DIA, Disse-lhes José: Fazei isso e vivereis, porque eu temo a Deus”; (Gn 42.17,18).  

     Conforme o texto bíblico citado os irmãos de José ficaram presos três dias e depois disso José os solta. Então eles teriam sido soltos no 4º dia, correto? Porém não é isso que aparece. Ele os solta no 3º dia, ou seja, eles ficaram presos durante três dias (forma idiomática e expressiva) e são soltos no 3º dia (literalmente). Portando, se olharmos com literalidade neste texto, haveria uma contradição, pois os irmãos estariam presos num período de 72 horas, mas o mesmo texto diz que eles foram soltos antes das 72 horas. Não há contradição porque é apenas uma expressão idiomática.  Assim: UM DIA E UMA NOITE era uma expressão idiomática usada pelos judeus para indicar um dia, mesmo quando indicava somente parte de um dia, o qual pode ser visto também no Antigo Testamento. Ou seja, a expressão UM DIA E UMA NOITE representava tanto o período total como parte dele. Outra forma de entender TRÊS DIAS E TRÊS NOITES é ter em consideração a comprovação histórica. O método judaico de calcular o tempo. Os escritores judaicos registraram em seus comentários sobre as escrituras o principio que governa o registro do tempo. Qualquer parte do período era considerado um período total. Qualquer parte de um dia era registrado como um dia completo. O Talmude relata que uma parte do dia é o total dele. Um dia e uma noite são um Onah e a parte de um Onah é como o total dele. Um “Onah” é, simplesmente, “um período de tempo”. Temos então a prova de que a expressão três dias e três noites é figurada, representando três dias seguidos, independente do tempo (horas) transcorrido nestes. Como três dias e três noites é apenas uma forma de expressão, Jesus (figuramente falando) ficou no seio da terra três dias e três noites. Se Jesus tivesse sido sepultado depois do Shabat (sexta após as 6 hora da tarde), então a profecia não teria se cumprido, pois não poderíamos contar o dia de sexta. Porém, como foi sepultado antes do pôr do sol do Shabat, conta-se o dia do sepultamento. 

     Assim sendo, Jesus não se contradiz ou errou em dizer que estaria três dias no seio da terra, porque ele não usou o termo: O filho do homem ficará três dias no seio da terra. Ele usou três dias e três noites, pois sabia que era uma forma de expressão que indicaria a sua ressurreição no domingo. Se assim não fosse, os fariseus teriam pedido uma guarda até o 4º dia. Porém os mesmos pediram que os romanos cuidassem do túmulo até o 3º dia. Os três dias e três noites referentes ao período em que Cristo ficou no túmulo são calculados da seguinte maneira: Cristo foi crucificado na sexta-feira. Qualquer tempo antes da 6 horas da tarde da sexta seria considerado “um dia e uma noite”. Qualquer tempo depois das 6 horas da tarde de sexta até sábado às 6 horas da tarde, também seria “um dia e uma noite”. Semelhantemente, qualquer tempo após as 6 horas da tarde de sábado até o momento em que Cristo ressuscitou, na manhã de domingo, também seria “um dia e uma noite”. Do ponto de vista judaico, seriam “três dias e três noites” de sexta feira à tarde até domingo de manhã. (1º Dia) – Sexta feira à tarde. (2º Dia) – Sábado inteiro. (3º Dia) – Domingo de manhã. Concluindo, a expressão três dias e três noites é referente há três dias corridos, independente de quantas horas estes dias tiveram. É apenas uma expressão idiomática muito usada no judaísmo para apresentar três dias sequenciais. O QUE ACONTECEU COM JESUS NESTE PÉRIODO? O Espírito foi entregue ao Pai no momento que ocorreu a morte na Cruz. A alma (que é a pessoa) foi ao Hades (Seio de Abraão, Lugar de Tormento e Abismo). O corpo inerte ficou na sepultura, aguardando o retorno da alma e do Espírito para acontecer à ressurreição. “... Tragada foi a morte na vitória. Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória?”; (1 Co 15.54,55). 

Graça & Paz. 

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.