O que são as 70 Semanas do profeta Daniel?

15 de agosto de 2014

O que são as 70 Semanas do profeta Daniel?


     “E, depois que João foi entregue à prisão, veio Jesus para a Galiléia, pregando o evangelho do reino de Deus e dizendo: O TEMPO ESTÁ CUMPRIDO, e o Reino de Deus está próximo. Arrependei-vos e crede no evangelho”; (Mc 1.14,15). 

     A mensagem que Jesus pregava continha 4 pontos básicos, simples e objetivos. (1) O tempo está cumprido. (2) E o Reino de Deus esta próximo. (3) Arrependei-vos. (4) E crede no Evangelho. O tempo é escatológico, o Reino também é escatológico. E arrependei-vos para entrar nesta Escatologia da Basiléia (gr); “O Reino em Seu todo, completo”. Em sua totalidade, que tempo é este que foi cumprido?  Ou seja, que já se cumpriu? “Estando eu, digo, ainda falando na oração, o varão Gabriel, que eu tinha visto na minha visão ao princípio, veio voando rapidamente e tocou-me à hora do sacrifício da tarde. E me instruiu, e falou comigo, e disse: Daniel, agora saí para fazer-te entender o sentido. No princípio das tuas súplicas, saiu a ordem, e eu vim, para to declarar, porque és mui amado; toma, pois, bem o sentido na palavra e entende a visão. Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade, para extinguir a transgressão, e dar fim aos pecados, e expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e ungir o Santo dos santos”; (Dn 9.21-24). O anjo Gabriel manifestou-se a Daniel e lhe disse que desde o princípio ele já tinha a sua resposta da parte de Deus. 

    O anjo Gabriel explicou para o profeta Daniel que 70 semanas estão determinadas sobre o seu povo e a sua cidade, ou seja, já foram estabelecidas e terão que serem cumpridas. Como ocorre a contagem dessas 70 semanas? Como entenderemos essa forma de contagem? A palavra hebraica traduzida como semana (ou sétimos) se refere a um período de sete anos, da mesma forma que a nossa palavra década se refere a um período de dez anos. Ela literalmente significa “uma semana de 7 anos”. Assim, 70 semanas são 70 x 7 anos, ou 490 anos. Esse período de 70 semanas que foram determinadas estão divididas em três partes: (1ª) 7 semanas (7x7= 49 anos). (2ª) 62 semanas (62x7= 434 anos). (3ª) 1 semana (7x1= 7 anos). “Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe (Jesus é o príncipe da paz), sete semanas e sessenta e duas semanas; as ruas e as tranqueiras se reedificarão, mas em tempos angustiosos”; (Dn 9.25). A ordem dada iniciou-se com Neemias. O reformar dos muros durou (52 dias). “Acabou-se, pois, o muro aos vinte e cinco do mês de Elul, em cinqüenta e dois dias”; (Ne 6.15). Mas, o período de reconstrução de toda a cidade durou 49 anos (7 semanas de Daniel). “E, depois das sessenta e duas semanas, será tirado o Messias e não será mais; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações”; (Dn 9.26). E depois das 62 semanas será tirado o Messias (terminou na cruz, na morte de Jesus).62 semanas x 7 (uma semana de 7 anos) = 434 anos. Das 70 semanas de Daniel já se cumpriram 69; (7+62). Faltam: Uma semana = 7 anos. O profeta Daniel viveu nos dias do exílio babilônico, Neemias viveu nos dias do Império Medo Persa. Do período das restaurações dos muros e da cidade de Jerusalém, até os dias de Jesus se tem uma diferença de 434 anos. Durante esse período anterior ao nascimento de Jesus Cristo, Deus ficou em silêncio por um período de 400 anos! Ele não utilizou nenhuma palavra profética e nem de profecia ao Seu povo. Após os 400 anos, Deus enviou ao profeta João Batista, anunciando a mesma mensagem de Jesus. A nação de Israel esteve por um período de 70 anos cativa na Babilônia. “Porque assim diz o Senhor: Certamente que, passados setenta anos na Babilônia, vos visitarei, e cumprirei sobre vós a minha boa palavra, tornando-vos a trazer a este lugar”; (Jr 29.10). 

Deus deixou o povo permanecer na Babilônia, até o Império Babilônico ser conquistado pelo Império Medo Persa e depois pelo Império Grego. 

     “No ano terceiro do reinado do rei Belsazar, apareceu-me uma visão, a mim, Daniel, depois daquela que me apareceu no princípio. E vi na visão (acontecendo, quando vi, que eu estava na cidadela de Susã, na província de Elão), vi, pois, na visão, que eu estava junto ao rio Ulai. E levantei os meus olhos e vi, e eis que um carneiro estava diante do rio, o qual tinha duas pontas; e as duas pontas (chifre) eram altas, mas uma era mais alta do que a outra; e a mais alta subiu por último. Vi que o carneiro dava marradas para o ocidente, e para o norte, e para o meio dia; (sul); e nenhuns animais podiam estar diante dele, nem havia quem pudesse livrar-se da sua mão; e ele fazia conforme a sua vontade e se engrandecia. E, estando eu considerando, eis que um bode vinha do ocidente sobre toda a terra, mas sem tocar no chão; e aquele bode tinha uma ponta (chifre) notável entre os olhos. E dirigiu-se ao carneiro que tinha as duas pontas (chifres), ao qual eu tinha visto diante do rio; e correu contra ele com todo o ímpeto da sua força. E o vi chegar perto do carneiro, irritar-se contra ele; e feriu o carneiro e lhe quebrou as duas pontas (chifres), pois não havia força no carneiro para parar diante dele; e o lançou por terra e o pisou aos pés; não houve quem pudesse livrar o carneiro da sua mão. E o bode se engrandeceu em grande maneira; mas, estando na sua maior força, aquela grande ponta (chifre) foi quebrada; e subiram no seu lugar quatro também notáveis, para os quatro ventos do céu”; (Dn 8.1-8).

     O ano 3º do reinado de Belsazar correspondia ao ano 551 a.C. Faltavam 14 anos para a queda da Babilônia para a colisão Medo Persa. Susã ficava a 370 quilômetros ao leste da Babilônia, no Irã, e era a capital do Império Persa. Daniel, Neemias e Ester viveram em Susã. “A palavra de Neemias, filho de Hacalias. E sucedeu no mês de quisleu, no ano vigésimo, estando eu em Susã, a fortaleza”; (Ne 1.1). “Naqueles dias, assentando-se o rei Assuero (rei Xerxes “gr”, filho de Dario) sobre o trono do seu reino, que está na fortaleza de Susã”; (Et 1.2).  O rei da Pérsia usava uma coroa de cabeça de carneiro, quando estava em batalha com o seu exército. O carneiro com dois chifres representavam a Média e a Pérsia (Medo Persa). O chifre maior que cresceu depois é o componente Persa da colisão, que eventualmente se tornou dominante. A Média são os Kurdos de hoje, enquanto, a Pérsia é o atual Irã. O carneiro representava o Império Medo Persa, as duas pontas representavam a Dario e Ciro. “Aquele carneiro que viste com duas pontas são os reis da Média e da Pérsia”; (Dn 8.20). Juntos esses dois impérios conquistaram uma grande área que se estendia do Paquistão até o leste da Grécia, para Oeste até as praias do mar Negro, e Cáspio para o norte. O Império Medo Persa governou por um período de 209 anos, até cerca de 330 a.C. O bode representava ao Império Grego, e a sua ponta notável era Alexandre III “o Grande”. “Mas o bode peludo é o rei da Grécia; e a ponta grande que tinha entre os olhos é o rei primeiro; o ter sido quebrada, levantando-se quatro em lugar dela, significa que quatro reinos se levantarão da mesma nação, mas não com a força dela”; (Dn 8.21,22). 

     “E o bode se engrandeceu em grande maneira; mas, estando na sua maior força, aquela grande ponta (Alexandre) foi quebrada; ...”; (Dn 8.8a). O bode com um chifre era o símbolo do rei da Macedônia, Felipe II, pai de Alexandre III. Também conhecido como Alexandre “o grande” e Alexandre Magno. Os Persas haviam humilhado a Felipe II, assim Alexandre III, levantou um grande exército para executar a sua vingança. Não mostrando nenhuma misericórdia pelos Persas, ele derrotou, exterminou totalmente o exército de 200.000 homens do rei Dario III na Grande Batalha de Gaugamela, em 331 a.C, com somente 40.000 homens do seu lado. “... E subiram no seu lugar quatro também notáveis, para os quatro ventos do céu”; (Dn 8.8b). Alexandre morreu deixando o seu império grego para ser dividido entre seus quatro generais. Cassandro – Macedônia e a Grécia. Lisímaco – Trácia e a Ásia Menor. Ptolomeu – Israel e o Egito. Seleuco – Síria, Líbano e a Jordânia. Jesus Cristo não poderia encarnar-se “Teantropia” antes que o bode (Grécia) atua-se.  O carneiro (representação do Império Medo Persa) foi para se cumprir as primeiras 7 semanas de Daniel (1ª etapa) iniciada pela reforma dos muros por Neemias, e depois de toda a cidade de Jerusalém. Com a Grécia (representação do bode) veio ao mundo a cultura do Helenismo (hábitos & costumes) e a língua grega. Assim como o direito iniciou-se em Roma, a legislação é romana. A ética, a fineza, a Filosofia e as Artes são gregas, se iniciaram na Grécia. Jesus Cristo tinha que vir, nascer na plenitude dos tempos, Ele não poderia vir antes da cultura fina do Helenismo da Grécia.  “Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei”; (Gl 4.4). A cultura grega invadiu o mundo daquela época. A nação de Israel herdou um pouco da cultura fina dos gregos, Israel não poderia ter a cultura babilônica e nem há cultura do Império da Média ou do Império da Pérsia, as quais eram uma cultura bárbara, selvagem e animal. HÁBITOS + COSTUMES = CULTURA + SOCIEDADE = NAÇÃO. Uma nação, um povo somente conseguem ser mudados quando se mudam os hábitos e os costumes de sua sociedade. Isto ocorre de uma forma natural sem afetar a sua cultura.  Como entender a Matemática “DO TEMPO ESTÁ CUMPRIDO”. Façamos a soma: 70 semanas de Daniel x 7 (uma semana de anos) = 490 anos. Menos a 1ª etapa de 49 anos (7 semanas x 7). 490-49= 441.  

     62 semanas x 7 anos = 434 anos. Existe porém uma diferença de 93 dias entre os calendários solares grego, judeu e macedônio. Somando esses períodos em relação ao calendário judeu, encontra-se o período exato de 433 anos e 9 meses. Quanto tempo Deus ficou sem falar com Israel? 400 anos. Quando Maria concebeu a Jesus, João Batista já estava com 6 meses de vida. “E eis que também Isabel, tua prima, concebeu um filho em sua velhice; e é este o sexto mês para aquela que era chamada estéril”; (Lc 1.36). 6 meses (João Batista) + 9 meses (Jesus)  = 1 ano, 3 meses. Pegamos esta diferença de 3 meses e acrescentamos aos 433 anos e 9 meses. Teremos os 434 anos originais. Jesus morreu com 33 anos. Total completo da soma: 400+1+33 = 434 anos. E depois das 62 semanas será tirado o Messias. Jesus ascendeu-se aos Céus.  “E, depois das sessenta e duas semanas, será tirado o Messias”; (Dn 9.26). Bíblia de Estudo Pentecostal. Toda esta explicação foi para o entendimento da questão do “tempo esta cumprido”.  Em Jesus Cristo se cumpriram as 62 semanas da 2ª etapa das 70 semanas de Daniel. Mais a 1ª etapa que foram de 7 semanas, totalizamos 69 semanas que já se cumpriram. Em anos já se cumpriram 69 semanas x 7= 483 anos.Todos os reinos temporais já se passaram, é chegado o Reino verdadeiro de Deus. O homem tem que arrepender-se e crer neste Evangelho. Jesus irá reinar literalmente em Israel. Só falta se cumprir a 3ª e última etapa! Total / Anos: 490-49-434= 7. Total / Semanas: 70-7-62=1. Das 70 semanas de Daniel está faltando somente a última semana de 7 anos!

Graça & Paz. 

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.