O que é um domicílio de atuação?

15 de julho de 2015

O que é um domicílio de atuação?


     “E disse: Sabes porque eu vim a ti? Eu tornarei a pelejar contra o príncipe dos persas; e, saindo eu, eis que virá o príncipe da Grécia. Mas eu te declarei o que está escrito na escritura da verdade; e ninguém há que se esforce comigo contra aquele a não ser Miguel, vosso príncipe”; (Dn 10.20,21). 

     Cada principado tem o seu próprio domicílio de operação. O que é um domicílio? São as áreas, os lugares, em que um demônio, ou principado, opera originalmente. Isto significa que eles não podem deixá-los. Por isto muitos demônios, fora de seu domicílio, são lançados no Abismo. Fora de suas áreas de atuações, de suas regiões, possuindo o corpo de uma pessoa ou animal, estão fora de seu domicílio. O domicílio pode ser uma cidade, dependendo do principado, pode ser até de uma nação inteira. O príncipe da Pérsia, e o príncipe da Grécia, lutam para que não haja revelações e atuação do Espírito Santo ali em seus domicílios.  Cada nação ou etnia tem o seu principado e sob a sua autoridade estão as legiões para os mais diversos fins constituídos e divididos. Cada principado sabe que não pode abandonar o seu domicílio. Se a legião de demônio que estava em Gadara saísse de lá, já sabiam que Jesus as enviaria ao Abismo em um novo confronto, pois estariam novamente fora de seu domicílio.   Naquele confronto, Jesus não os mandou para o Abismo, porque os demônios lhe rogaram. “E rogavam-lhe que os não mandassem para o abismo”; (Lc 8.31). Jesus permitiu que eles entrassem nos porcos para salvar o gadareno, se Jesus os mandassem para o Abismo eles iriam se precipitar junto com o gadareno pelo despenhadeiro.

    Jesus permitiu, deixou, concedeu (ele não ordenou) que fossem e entrassem nos porcos. “E andava pastando ali no monte uma manada de muitos porcos; e rogaram-lhe que lhes concedesse entrar neles; e concedeu-lho”; (Lc 8.32).Os demônios tiveram a permissão de permanecerem na cidade. Jesus não poderia mandar-lhe a outro lugar que não fosse o seu próprio domicílio, ali mesmo em Gadara, ou permaneciam ali ou iam direto para o Abismo. Os demônios pediram a Jesus que não lhes mandasse ao Abismo, porque ali é o lugar em que estão trancafiados para o Dia do Juízo, todos os demônios dos dias de Noé, Ló, Egito, como os outros que para lá foram enviados durante a História da Igreja Primitiva, e atualmente na Igreja Contemporânea. As partes imateriais (espirituais) têm a capacidade de compartilhar-se do mesmo espaço (corpo físico) ao mesmo tempo, sem perderem as suas identidades (personalidade). Por isso, em apenas um corpo de uma pessoa, pode haver muitos demônios (uma legião = + ou – 2.000 demônios). E nenhum deles perderem a sua identidade individual. Quando os demônios foram expulsos do gadareno, Jesus não lhes podiam enviar para um outro domicílio a não ser ao Abismo. Então, permitiu que permanecessem ali mesmo, naquele domicílio. “E, tendo saído os demônios do homem, entraram nos porcos, e a manada precipitou-se de um despenhadeiro no lago e afogou-se”; (Lc 8.33). A manada de porcos se afogou no lago, morreram. Os animais morreram, mas os espíritos malignos e imundos que estavam em seus corpos, não. Eles são eternos, outrora eram anjos de Deus. Eles permaneceram ali naquele domicilio. A cada século acontece uma troca de atuação, a cada cem anos mudam-se as estratégias de ataque de Satanás. Como ele não tem mais demônios para repor, ele os desloca, realiza um rodízio entre os domicílios de atuação de seus principados. Ele recebe a autoridade legal de atuação de ataque concedida através de palavras malditas e Satanismo. Como acontece, ocorre os ataques dos demônios? Acontece em fases, etapas.

      O CORTADOR – Esse tipo de ataque de gafanhoto vem em enxame sobre uma plantação com o objetivo de cortar, comer, consumir somente com as folhas. Com o intuito de acabar, de tirar  a beleza. Uma plantação sem folhas é féia, é sem vida. É desnutrida e sem qualidade. O MIGRADOR – Este tipo de ataque de gafanhoto tem o objetivo de comer somente as pontas dos galhos, cortando assim a possibilidade de crescimento.  O ataque é de maneira inconstante. Depende do momento, depende da situação. Depende da quantidade do enxame, depende do tamanho da plantação. O ataque pode acontecer de duas em duas horas, de hora em hora, ou talvez somente uma vez por dia. É um ataque de surpresa. É um prejuízo pelo qual a plantação não está preparada para o ataque.  É assim conhecido como migrador justamente por causa do sentido de migração. Acontece uma mudança brusca de domicilio, de região. Existe uma mudança na estratégia de ataque. Mas o resultado obtido é sempre o mesmo, cortar o crescimento da plantação. Não há força de produção, a lavoura se torna estéril. O DEVORADOR – Este tipo de ataque de gafanhoto tem o objetivo de comer a base. Com o propósito de conseguir entrar pelo meio, pelo centro dos galhos, dessa maneira atingir a plantação por dentro, pelo seu interior. Restando somente o tronco. O DESTRUIDOR – Este tipo de ataque de gafanhoto tem o objetivo de atacar diretamente a vida de uma plantação. Destruindo o que a Botânica chama da alma da planta, a clorofila. A clorofila é para o vegetal o que à hemoglobina do sangue é para o animal. Nós temos que acabar com esses tipos de ataques de gafanhoto. Ataques que tem a missão de: Acabar  com a beleza das folhas. Cortar o crescimento das pontas dos galhos. Minar a base,  atingir o tronco e destruir com vida. 

Como acabar com essas fases de ataques?

     Gafanhoto não consegue atacar a onde há presença de fogo, a onde se tem calor! Gafanhotos na Bíblia é uma tipologia representativa de demônios; de principados, potestades, dominadores e hostes espirituais da maldade”E da fumaça vieram gafanhotos sobre a terra; e foi-lhes dado poder como o poder que têm os escorpiões da terra”; (Ap 9.3). Plantação, lavoura é Tipologia da Igreja“...Porque nós somos cooperadores de Deus; vós sois lavoura de Deus...”; (1 Co 3.9). Ataques são tipologias de destruições, tribulações, desertos e dificuldades. “Porque subiam com os seus gados e tendas; vinham como gafanhotos, em grande multidão, que não se podiam contar, nem a eles nem aos seus camelos; e entravam na terra para a destruir”; (Jz 6.5).  Fogo é um dos símbolos do Espírito Santo no nosso meio. Calor é tipologia de unção. Havendo o fogo, tendo o calor, com certeza nenhum enxame de gafanhotos ousará chegar perto e atacar a nossa plantação! E o que acontecerá então? ”E as eiras se encherão de trigo, e os lagares transbordarão de mosto e de óleo”; (Jl 2.24). “E restituir-vos-ei os anos que foram consumidos pelo gafanhoto”; (Jl 2.25a).  

Graça & Paz.

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.