E não podia de modo algum?

15 de novembro de 2014

E não podia de modo algum?


     “E ensinava no sábado, numa das sinagogas. E eis que estava ali uma mulher que tinha um espírito de enfermidade havia já dezoito anos; e andava curvada e não podia de modo algum endireitar-se. E, vendo-a Jesus, chamou-a a si, e disse-lhe: Mulher, estás livre da tua enfermidade. E impôs as mãos sobre ela, e logo se endireitou e glorificava a Deus”; (Lc 13.10-13). 

     “E ensinava”; (Lc 13.10a). O maior compromisso de Jesus é em ensinar a Palavra. As pessoas arrepediam-se dos seus pecados e conheciam a Deus e ao Seu reino através da Palavra. “No sábado, numa das sinagogas”; (Lc 13.0b). O sábado pela tradição da lei mosaica somente era lícito aos judeus irem as sinagogas ouvirem a leitura do Torá e retornarem para as suas casas! Mas, Jesus sempre quer fazer algo a mais por nós! “E eis que estava ali uma mulher”; (Lc 13.11a). Essa mulher cujo nome não foi citado, não sabia o que fazer, mas sabia aonde ir. Ela estava na Casa de Deus! Os homens e as mulheres não ficavam juntos durante os serviços nas sinagogas, haviam seções separadas. Essa mulher não se importou com a discriminação, ela estava lá! “Que tinha um espírito de enfermidade havia já dezoito anos”; (Lc 13.11b). O texto relata que ela tinha um espírito de enfermidade. O texto também não menciona que ela já nasceu com esse espírito, mas deixa bem claro o tempo: Há 18 anos ela estava sendo atormentada por esse espírito. Ou seja, esta mulher (não é citado uma jovem) nasceu normal, um dia ela andou ereta! 

Aqui nós encontramos a explicação da raiz do problema dessa mulher! Não era físico, não era psicológico, era espiritual. Ainda que todos digam que o problema do homem seja financeiro, político, social, sentimental, a Bíblia declara que é espiritual. Todos os problemas do homem tem as suas raizes na questão espiritual. “E andava curvada”; (Lc 13.11c). Em outras versões: “Andava encurvada e não podia absolutamente levantar  a cabeça”. Erat inclinata nec omnino poderat sursum respicere. Ela andava encurvada, olhando para o chão. Sem perspectivas de um dia olhar novamente para cima, ela so enxergava o chão e os pés.  Satanás queria que ela ficasse, daquela  forma, olhando para baixo! Quem olha para baixo o tempo todo, não enxerga as maravilhas que estão em cima, que estão no Céu. Ela estava encurvada por causa da carga  que Satanás estava colocando sobre ela. Se você pegar um peso de 1 quilo e jogar sobre os seus ombros. Você consegue suportar este peso por um curto período de tempo. Mas, não por um prazo longo. Então Satanás sabendo disso, ele vai colocando pequenos pesos e nós vamos carregando-os sem percebermos, e de repente, estamos encurvados. Quantos pesos? E as vezes esses pesos não são somente nossos, são de outras pessoas que nós vamos pegando e carregando. “E não podia de modo algum endireitar-se”; (Lc 13.11d). Essa mulher tentou de tudo para voltar a andar normalmente, ela tentou de todas as formas, de todas as maneiras, de todos os jeitos. O texto bíblico diz: que de modo algum. Aprenda que é somente Jesus! Sem Ele nós não podemos nada. Ela não tinha poder para mudar a sua própria situação. Compreenda que sem Deus, não existe em nós recursos para construirmos a nossa própria vida.

     “E, vendo-a Jesus”; (Lc 13.12a). Eu acho maravilhoso a capacidade e sensibilidade que Jesus tem de perceber uma pessoa  em meio a multidão. Ele viu aquela mulher! As mulheres na sinagoga ocupavam os últimos lugares, elas não adoravam junto com os homens, havia uma cortina que os separava. Mas mesmo assim, Jesus a viu e liberou uma palavra de autoridade contra o espírito de enfermidade que a atormentava. Jesus a contemplou nos últimos bancos, na ala das mulheres, sentiu compaixão pela dor daquela mulher. Ele a viu, e não so isso, Jesus viu também a sua necessidade. Jesus esta te vendo neste momento! “Chamou-a a si”; (Lc 13.12b). Parou tudo, e chamou-a  para frente. Ou seja, a frente da ala dos homens, quebrando totalmente o protocolo da tradição. Ela aceitou ao chamado de Jesus e foi passando por todo mundo até chegar a frente a onde Jesus estava. “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei”; (Mt 11.28). Nada do que Deus quer fazer em nossas vidas é de forma obrigatória! Ele nos chama e se aceitarmos o convite e irmos até Ele seremos abençoados. Se não aceitamos, perdermos a benção! “E disse-lhe: Mulher, estás livre da tua enfermidade”; (Lc 13.12c). Além de chama-lá, Jesus declará a Palavra de vitória sobre o espírito de enfermidade: “Estás livre da tua enfermidade”. Ela foi curada? Não! Ela não foi curada, porque ela não ficou ereta de imediato! Jesus declarou a Palavra mas ela continuou encurvada. “E impôs as mãos sobre ela”; (Lc 13.13a). Tem casos, situações em que Jesus somente declara a Palavra e o milagre acontece. Ao centurião de Cafarnaum: “Vai e como creste te seja feito. E naquela mesma hora, o seu criado sarou”; (Mt 8.13).  Ao cego de Jericó: “Que queres que te faça. E ele disse: Senhor que eu veja. E Jesus lhe disse: Vê; a tua fé te salvou”; (Lc 18.41,42). No caso dessa mulher, Jesus teve que impor as Suas mãos sobre ela, 1º essa mulher precisava de uma cura interior, uma cura na sua alma. Jesus discerniu isso! “E logo se endireitou e glorificava a Deus”; (Lc 13.13b). Diante de todos na sinagoga, Jesus libertou-a de todo o tormento. Satanás demorou 18 anos para encurvar essa mulher! Bastou um momento na presença de Jesus, para Ele superar os 18 anos de trabalho do inimigo contra a vida dessa mulher. 

“E, tomando a palavra o príncipe da sinagoga, indignado porque Jesus curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que é mister trabalhar; nestes, pois, vinde para serdes curados, e não no dia de sábado”; (Lc 13.14). Os religiosos se levantaram contra a vitória dessa mulher, pois não aceitaram a sua cura no dia de sábado. Nunca haviam feito nada por ela em todo o decorrer daqueles 18 anos, mas quando alguém fez levantaram-se contra. Jesus defendeu-a! A vida é muito mais importante do que as tradições e rituais. Quem sabe muitos têm se levantado contra a tua vitória, mas creia que Jesus no momento certo te defenderá diante de tudo e de todos. “Respondeu-lhe, porém, o Senhor, e disse: Hipócrita, no sábado não desprende da manjedoura cada um de vós o seu boi, ou jumento, e não o leva a beber? E não convinha soltar desta prisão, no dia de sábado, esta filha de Abraão, a qual há dezoito anos Satanás tinha presa?”; (Lc 13.15,16). A tortinha, encurvadinha, aquela esquisitinha. Talvez fossem estes alguns dos nomes que chamavam aquela mulher. Mas Jesus a chamou de filha de Abraão! A quanto tempo essa mulher não era chamada de filha. Jesus lembrou a essa mulher que ela fazia parte de uma aliança entre Deus e Abraão. Deus tem uma aliança conosco. “E, dizendo ele isso, todos os seus adversários ficaram envergonhados, e todo o povo se alegrava por todas as coisas gloriosas que eram feitas por ele”; (Lc 13.17). Ao final, no último versículo, havia duas classes de pessoas: (A) Os envergonhados e (B) Os que se alegravam com a vitória daquela mulher. Talvez você em alguma área da sua vida esteja encurvado. Você não consegue andar corretamente. Aquela mulher não levantava a cabeça, só olhava para o chão. Ninguém conseguia ver sua face, andava escondida, cheia de complexos. Mas Jesus muda tudo, os inimigos tem que recuar e saírem envergonhados. Este é o seu momento! Levante-se e endireite- se. 

Graça & Paz.

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.