Esta fez o que podia?

15 de março de 2014

Esta fez o que podia?


     “Esta fez o que podia; antecipou-se a ungir o meu corpo para a sepultura”; (Mc 14.8).

     A maioria das pessoas que vem até Jesus é para receber algo Dele. Querem uma cura, um milagre ou até mesmo unção. Nesta passagem, encontramos uma mulher com outra intenção. Ela queria adorá-lo, ela queria ungir a Jesus! Esse acontecimento ocorreu cronologicamente 6 dias antes de Jesus morrer na cruz do Calvário.  Nesses últimos dias antes da cruz, Jesus curou o cego Bartimeu em Jericó, e os outros dois cegos que estavam também pelo caminho, pousou na casa de Zaquel e nesse contexto Jesus esta em Betânia. Havia um plano dos sacerdotes para matarem Jesus e também a Lázaro. “E, dali a dois dias, era a Páscoa, e a Festa dos pães Asmos; e os principais dos sacerdotes e os escribas buscavam como o prenderiam com dolo (qualquer ato consciente com que alguém induz, mantém ou confirma outrem em erro; má-fé, fraude, astúcia; maquinação), e o matariam. Mas eles diziam: Não na festa, para que, porventura, não se faça alvoroço entre o povo”; (Mc 14.1,2). “E muita gente dos judeus soube que ele estava ali; e foram, não só por causa de Jesus, mas também para ver a Lázaro, a quem ressuscitara dos mortos. E os principais dos sacerdotes tomaram deliberação para matar também a Lázaro, porque muitos dos judeus, por causa dele, iam e criam em Jesus”; (Jo 12.9-11). Maria, irmã de Marta e Lázaro entra em cena. “E, estando ele em Betânia assentado à mesa, em casa de Simão, o leproso, veio uma mulher, que trazia um vaso de alabastro, com ungüento de nardo puro, de muito preço, e, quebrando o vaso, lho derramou sobre a cabeça”; (Mc 14.3). Parecia que eram somente ela e Jesus! Ali naquele lugar na frente de todos. 

Maria não teve vergonha, não se importou em olhar para ver se alguém a observava. Ela após ungir a cabeça abaixou-se e começou a passar o ungüento de nardo puro nos pés de Jesus e a enxugar os seus pés com o seus cabelos. “Então, Maria, tomando uma libra de ungüento de nardo puro, de muito preço, ungiu os pés de Jesus e enxugou-lhe os pés com os seus cabelos; e encheu-se a casa do cheiro do ungüento”; (Jo 12.3). Maria além de quebrar o vaso de unguento de nardo puro, na cabeça de Jesus, ela também ungiu os pés de Jesus e enxugou-lhe os pés com os seus cabelos. Aqui esta o segredo! Ela derramou o unguento no corpo de Jesus pela cabeça. O que ela tinha de mais caro, de mais precioso ela derramou em cima da cabeça de Jesus. Mas ela enxugou o mesmo unguento de volta para si através do seu próprio cabelo dos pés de Jesus, embaixo. Jesus filtrou em Seu corpo toda a essência daquele unguento, somente após isso acontecer se encheu toda a casa do cheiro do unguento. Tem que passar pelo corpo de Jesus, para encher a casa.

MARIA REALIZOU 5 ATITUDES QUE  FIZERAM TODA A DIFERENÇA

(1ª) ELA FEZ O QUE PODIA“Esta fez o que podia”; (Mc 14.8a). Fazer o que pode! Quer dizer, realizar conforme a sua capacidade. Quando ela recebeu esta capacidade? Quando Jesus estava em sua casa, ela ficou aos pés Dele, degustando, aprendendo os seus ensinamentos. Enquanto Marta estava ocupada em seus afazeres. “E aconteceu que, indo eles de caminho, entrou numa aldeia; e certa mulher, por nome Marta, o recebeu em sua casa. E tinha esta uma irmã chamada Maria, a qual, assentando-se também aos pés de Jesus, ouvia a sua palavra. Marta, porém andava distraída em muitos serviços e, aproximando-se, disse: Senhor, não te importas que minha irmã me deixe servir só? Dize-lhe, pois, que me ajude. E, respondendo Jesus, disse-lhe: Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só é necessária; e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada”; (Lc 10.38-42). Maria recebeu a capacidade através das palavras de Jesus. O que é capacidade? É a aptidão adquirida para exercer direitos e contrair obrigações. Ou seja, é a pessoa realizar aquilo que ela sabe que pode fazer! Nós temos capacidades diferentes, mas se nós realizarmos, fizermos conforme a nossa capacidade, nunca seremos displicentes com a obra. (2ª) ELA FOI ESPONTANEA“Veio uma mulher...”; (Mc 14.3b). Você já sabe que esta “mulher” é Maria, irmã de Lázaro. Ninguém a mandou fazer! Ninguém a pediu que fizesse! Ela não fez porque o pastor, ou o seu líder de Ministério pediu. Ela fez porque em seu coração ela quis realizar. Ela foi até a casa de Simão, o local onde Jesus estava. Não se preocupou com as pessoas que estavam naquele lugar. Ela o adorou. (3ª) ELA SABIA INVESTIR“... que trazia um vaso de alabastro, com ungüento de nardo puro”; (Mc 14.3c). Ela não foi até Jesus sem apresentar algo! Betânia não era um lugar de grande poder aquisitivo, não era sequer uma cidade, e sim uma aldeia. Maria teve que arrumar uma maneira de adquirir dinheiro, para comprar aquele ungüento de nardo puro. Talvez fossem anos e anos de economia. Ela precisou sacrificar muitas coisas. Ungüento de nardo puro era muito caro eram 300 dinheiros! 1 ano de trabalho exaustivo. Alguns pregadores por falta de concordância bíblica alegam que essa mulher fosse a Maria Madalena. O ungüento de nardo era colocado em vasos de alabastro. Esses vasos tinham um gargalo comprido e fino, e eram tampados e selados, impedindo, assim, que o perfume evaporasse. Para que o perfume pudesse ser utilizado, era preciso quebrar esse vaso. Foi o que Maria fez: quebrou o vaso de alabastro, e com o nardo ungiu a cabeça e os pés de Jesus.

     (4ª) ELA TINHA DISCERNIMENTO (Quem discerne se antecipa as situações)“... antecipou-se a ungir o meu corpo para a sepultura”; (Mc 14.8b). Maria antecipou-se as outras Marias! Ela ungiu a Jesus em vida! Antes de ele ir à sepultura. As outras Marias; Maria Madalena e a Maria mãe de Tiago não tiveram esta antecipação. “E, passado o sábado, Maria Madalena, Salomé e Maria, mãe de Tiago compraram aromas para irem ungi-lo. E, no primeiro dia da semana, foram ao sepulcro, de manhã cedo, ao nascer do sol, e diziam umas às outras: Quem nos revolverá a pedra da porta do sepulcro? E, olhando, viram que já a pedra estava revolvida; e era ela muito grande. E, entrando no sepulcro, viram um jovem assentado à direita, vestido de uma roupa comprida e branca; e ficaram espantadas. Porém ele, disse-lhes: Não vos assusteis; buscais a Jesus, o Nazareno, que foi crucificado; já ressuscitou, não está aqui; eis aqui o lugar onde o puseram”; (Mc 16.1-6). Jesus não recebe unção e adoração como um morto, Ele é ungido totalmente para a vida. (5ª)  ELA FEZ POR AMOR“E alguns houve que em si mesmos se indignaram, e disseram: Para que se fez este desperdício de ungüento? Porque podia vender-se por mais de trezentos dinheiros, e dá-lo aos pobres. E bramavam contra ela. Jesus, porém, disse: Deixai-a, para que a molestais? Ela fez-me boa obra”; (Mc 14.4-6). A compreensão do sacrifício de Jesus estava mais clara para Maria do que para os discípulos. “Então, um dos seus discípulos, Judas Iscariotes, Filho de Simão, o que havia de traí-lo disse: Por que não se vendeu este ungüento por trezentos dinheiros, e não se deu aos pobres?”; (Jo 12.4). Judas ficou indignado e achou um desperdício o ato de adoração de Maria. Ele deixou bem claro que não quebraria um vaso de ungüento de nardo puro na cabeça de Jesus por 300 dinheiros. Muito menos enxugariam os seus pés com os seus cabelos. Mas o traiu por 30 dinheiros! A traição é inferior à adoração. Sabe por quê? Prejudicar, trair e roubar a confiança de alguém é mais barato do que conquistar. CONSEGUÊNCIA DAS ATITUDES DE MARIA “Em verdade vos digo que, em todas as partes do mundo onde este evangelho for pregado, também o que ela fez será contado para sua memória”; (Mc 14.9).

Graça & Paz.

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.