Homem interior ou homem exterior?

15 de fevereiro de 2015

Homem interior ou homem exterior?


  “Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia”(2 Co 4.16). 

   O homem é um ser tricotomo (formado de três substâncias). “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra (corpo) e soprou em seus narizes o fôlego da vida (espírito); e o homem foi feito alma vivente”; (Gn 2.7). “E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo”; (1 Ts 5.23). Podemos encontrar três tipos de homem (genericamente). Ou seja, homem e mulher. O homem natural, o homem carnal e o homem espiritual. Existe uma luta constante entre a nossa carne (junção da nossa alma e o nosso corpo físico) contra o nosso espírito. Dentro dessa tricotomia existe ainda o nosso exterior e o nosso interior.  O nosso homem exterior é ligado as coisas efêmeras desse mundo terreno. O que é efêmero? É tudo ou algo que é: passageiro, transitório, temporário, temporâneo, fugaz e momentâneo. Mas graças a Deus o nosso homem interior esta ligado as coisas espirituais e eternas. Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus”; (Rm 7.22). “Para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo seu Espírito no homem interior”; (Ef 3.16). O HOMEM NATURAL; É impotente (fraco, débil) para discernir e entender as coisas relativas a Deus e o Seu Reino. Enquanto não receber o Espírito Santo; (ele ainda não aceitou a Cristo). Ele apenas recebeu e tem o espírito de vida, o qual o mantem vivo: 

   “Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”; (1 Co 2.14). “Entre os quais todos nós também, antes, andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também”; (Ef 2.3). Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniqüidade”; (Rm 6.13a). O HOMEM CARNALA mente é carnal “carne; sarx” (gr); o coração é enganoso. Confia em seu esforço próprio. “Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro; para que não façais o que quereis”; (Gl 5.17). O homem carnal recebeu a Palavra de Deus, mas não a praticou. Não nasceu de novo. Não teve experiências verdadeiras com Deus. Ainda existe o véu do coração e o véu da mente, que controla os sentidos. Não se assuste, mas existe homem carnal na Igreja (não deveria ter). O apóstolo Paulo não conseguiu falar com os irmãos (eles eram cristãos, eles não eram ímpios), pelo Espírito Santo. Porque mesmo participando da Igreja, os “irmãos” ainda eram carnais. “E eu, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a meninos em Cristo. Com leite vos criei e não com manjar (carne), porque ainda não podíeis, nem tampouco ainda agora podeis, porque ainda sois carnais, pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois porventura, carnais, e não andais segundo os homens?”; (1 Co 3.1-3). O cristão carnal está como a nação de Israel. Ainda existe o véu no coração para Cristo. “Mas os seus sentidos foram endurecidos; porque até hoje o mesmo véu está por levantar na lição do Velho Testamento, o qual foi por Cristo abolido; E até hoje, quando é lido Moisés, o véu está posto sobre o coração deles. Mas, quando se converterem ao Senhor, então o véu se tirará”; (2 Co 3.14-16). Tanto o homem natural como o homem carnal estão sendo guiados pela mente, pela carne. Eles estão fabricando os frutos da obra da carne, e não o FRUTO DO ESPÍRITO SANTO“Porque do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as prostituições, os homicídios, os furtos, a avareza, as maldades, o engano, a dissolução, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Todos estes males procedem de dentro e contaminam o homem”; (Mc 7.21-23). “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Porque o que semeia na sua carne da carne ceifará a corrupção”; (Gl 6.7,8a).  A carne sendo guiada pela mente age independente do espírito. O homem carnal não consegue estar ligado ao Corpo de Cristo (Igreja). O carnal realiza a vontade das coisas pecaminosas as quais são contrárias as coisas espirituais. 

     O carnal satisfaz somente a carne: “Ninguém vos domine a seu bel-prazer, com pretexto de humildade e culto dos anjos, metendo-se em coisas que não viu; estando debalde inchado na sua carnal compreensão, e não ligado à cabeça (Cristo), da qual todo o corpo, provido e organizado pelas juntas e ligaduras, vai crescendo em aumento de Deus. Se, pois, estais mortos com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos carregam ainda de ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como: Não toques, não proves, não manuseies? As quais coisas todas perecem pelo uso, segundo os preceitos e doutrinas dos homens; as quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria, em devoção voluntária, humildade, e em disciplina do corpo, mas não são de valor algum senão para a satisfação da carne”; (Cl 2.18-23). O homem que não é espiritual, é natural ou é carnal. O seu entendimento esta cego, não aceitam e não conseguem receber o Evangelho de Cristo. “Nos quais o deus deste século (Satanás, o deus deste mundo) cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus”; (2 Co 4.4). O homem natural e o homem carnal realizam e manifestam as obras da carne. “Digo, porém: Andai em Espírito e não cumprireis a concupiscência da carne. Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis. Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei. Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: (1º) prostituição, (2º) impureza, (3º) lascívia, (4º) idolatria, (5º) feitiçaria, (6º) inimizades, (7º) porfias, (8º) emulações, (9º) iras, (10º) pelejas, (11º) dissensões, (12º) heresias, (13º) invejas, (14º) homicídios, (15º) bebedices, (16º) glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus”; (Gl 5.16-21). O homem natural e o homem carnal não agradam a Deus. Deus ama o pecador, mas abomina o pecado. Quem faz a vontade da carne já esta condenado. Quem faz a vontade do Espírito não tem mais nenhuma condenação. “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito. Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte. Porquanto, o que era impossível à lei, visto como estava enferma pela carne, Deus, enviando o seu Filho em semelhança da carne do pecado, pelo pecado condenou o pecado na carne, para que a justiça da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito. Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito. Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz. Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus”; (Rm 8.1-8). 

     O HOMEM ESPIRITUALÉ uma nova criatura, nasceu de novo, nasceu do Espírito. “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo”; (2 Co 5.17). É amigo íntimo de Deus, pois é o mesmo Espírito. A intimidade é completa e plena. “Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito”; (1 Co 6.17). O seu corpo é  templo, habitação do Espírito Santo. Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo”; (1 Co 3.16,17). O seu rosto esta  descoberto, refletindo a glória de Deus. É transformado de glória em glória. “Ora, o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade. Mas todos nós, com cara descoberta, refletindo como um espelho, a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória, na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor”; (2 Co 3.17,18).  Discerne bem tudo, porque tem a mente de Cristo. O Espírito Santo testifica em seu coração todas as promessas de Deus. “Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido. Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo”; (1 Co 2.15,16). “O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus”; (Rm 8.16).  O homem espiritual não serve mais a carne, não serve o pecado. Esta ressurreto com Cristo. “Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça seja mais abundante? De modo nenhum! Nós que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele? Ou não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte? De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo ressuscitado dos mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida. Porque, se fomos plantados juntamente com ele na semelhança da sua morte, também o seremos na da sua ressurreição; Sabendo isto: que o nosso velho homem foi com ele crucificado, para que o corpo do pecado seja desfeito, a fim de que não sirvamos mais ao pecado”; (Rm 6.1-6). Se conhece uma árvore através do seu fruto. se conhece um cristão através do seu fruto. O Espírito Santo concede, chama, vocaciona  e separa. O Espírito Santo reveste de poder e autoridade através dos Seus dons espirituais. O Espírito Santo te frutifica.  A VOCAÇÃO  é o chamamento do cristão para uma obra especifica no Reino de Deus. OS DONS ESPIRITUAIS são as ferramentas necessárias para a execução da vocação. O FRUTO DO ESPÍRITO é o atestado, o resultado de boa conduta do cristão vocacionado. “Mas o fruto do Espírito é: (1º) caridade, (2º) gozo, (3º) paz, (4º) longanimidade, (5º) benignidade, (6º) bondade, (7º) fé, (8º) mansidão, (9º) temperança. Contra estas coisas não há lei”; (Gl 5.22,23). 

Graça & Paz. 

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.