Chamou Deus a Adão, e disse-lhe: Onde estás?

15 de novembro de 2016

Chamou Deus a Adão, e disse-lhe: Onde estás?

        
     “E ouviram a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim pela viração do dia; e escondeu-se Adão e sua mulher da presença do Senhor Deus, entre as árvores do jardim. E chamou o Senhor Deus a Adão, e disse-lhe: Onde estás?”; (Gn 3.8,9). 

     De quem era o Jardim do Éden? O jardim era de Deus? Da serpente? Ou do homem? O jardim era do homem. Pois, Deus na virada do dia é quem vinha passear “visitar” ao homem em seu jardim! Deus saia de Sua Eternidade (kairós) e vinha ao tempo do homem (chronos) para conversar com Adão na virada do dia, ao entardecer, antes da noite. Antes de escurecer, o homem ouvia a voz do seu Criador. Adão pecou, desviou-se do alvo, por isso teve medo quando ouviu a voz de Deus no jardim, pela viração da tarde, e escondeu-se. Foi a primeira vez que Deus veio ao Jardim falar com o homem depois da sua queda. É a pergunta que Ele fez a Adão no dia em que comeu do fruto proibido e se converteu em um pecador. Adão e sua mulher trataram em vão de se esconder entre as árvores do jardim do Éden. Foi em vão que tentaram escapar dos olhos de Deus. Quão terrível deve ter sido para eles este momento! “E ele disse: Ouvi a tua voz soar no jardim, e temi, porque estava nu, e escondi-me. E Deus disse: Quem te mostrou que estavas nu? Comeste tu da árvore de que te ordenei que não comesses?”; (Gn 3.10,11). A palavra de Deus narra que o Senhor Deus formou ao homem do pó da terra, e deu-lhe também uma companheira. E ambos estavam nus, e não se envergonhavam. Mas sendo seduzidos pela serpente, que é o diabo. Algo aconteceu. 

Eles foram enganados. Adão escondeu-se e temeu a Deus. Adão tinha plena e total comunhão com Deus, e agora ele estava escondendo-se Dele, e o que é pior: “Ouvi a tua voz soar no jardim, e temi”. O homem agora estava temendo a Deus! E algo novo foi introduzido no homem! A vergonha.“Então foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus, e coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais”; (Gn 3.7). A Palavra de Deus descreve que Adão e Eva antes de caírem no pecado, ainda na fase da inocência, viviam nus e não se envergonhavam. Aliás, nem davam se conta desse estado, porque eram puros e não havia malícia entre eles. “E ambos estavam nus, o homem e a sua mulher; e não se envergonhavam”; (Gn 2.25). Porém, ao comerem do fruto da árvore da ciência do bem e do mal, foram lhes aberto os olhos, então conheceram que estavam nus. O pecado entrou no homem através de sua desobediência, então eles coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais para cobrir a vergonha. O Senhor Deus os chamou, e eles temeram e esconderam-se de Deus, por se sentirem desonrados e envergonhados. Mas a Palavra afirma que ambos coseram folhas de figueira e fizeram para si, aventais, antes de irem ter com Deus. Porém, aqui esta à revelação da Palavra, que ambos estavam nus, não das vestes materiais, porque haviam feito aventais. Mas estavam nus dá graça de Deus, haviam sido despidos da salvação de Deus, porque foram desobedientes as ordenanças do Senhor e caíram na maldição do pecado. “E fez o Senhor Deus a Adão e à sua mulher túnicas de peles, e os vestiu”; (Gn 3.21). O Senhor já apontava que sem derramamento de sangue não haveria reconciliação para com o homem. A partir daquele momento, teria que haver expiação, sacrifício. Então morto no pecado, sendo necessário, Ele mesmo oferecer o Seu próprio Filho em forma de homem, e, pela aspersão do Seu sangue inocente, pagou a dívida que o homem havia contraído com Deus. E lhe proporcionou uma nova oportunidade para se redimir pelo arrependimento dos pecados.

     “Então disse o Senhor Deus: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal; ora, para que não estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente, o Senhor Deus, pois, o lançou fora do jardim do Éden, para lavrar a terra de que fora tomado. E havendo lançado fora o homem, pôs querubins ao oriente do jardim do Éden, e uma espada inflamada que andava ao redor, para guardar o caminho da árvore da vida”; (Gn 3.22-24). Havia duas árvores no meio do jardim! “E plantou o Senhor Deus um jardim no Éden, da banda do Oriente; e pôs ali o homem que tinha formado. E o Senhor Deus fez brotar da terra toda a árvore agradável à vista, e boa para comida; e a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore da ciência do bem e do mal”; (Gn 2.8,9). Nessa passagem esta o plano eterno da remissão do homem através de Cristo Jesus! (1º) Deus realiza Ele mesmo o 1º sacrifício da história. E depois Ele pega as túnicas de pele de animal e Ele as coloca como uma vestimenta no homem. Já prefigurando o sacrifício vicário de Jesus Cristo na cruz do Calvário. (2º) Deus expulsa ao homem do jardim do Éden. Mais uma vez, Deus preserva a vida eterna no homem. Porque se o homem permanece no jardim, provavelmente ele também comeria da árvore da vida eterna, que também estava no meio do jardim. Próximo a árvore do conhecimento do bem e do mal, a qual o homem já havia comido. O homem então seria eternamente pecador. Assim não teria o direito à remissão de seu pecado. (3º) Deus coloca uma espada inflamada que andava ao redor do jardim para proteger a árvore da vida eterna. No caso do homem querer retornar a viver no jardim como pecador! “E uma espada inflamada que andava ao redor, para guardar o caminho da árvore da vida”; (Gn 3.24). Jesus foi transpassado por essa espada. Se Ele não abrisse o caminho do homem para a vida eterna, nós não teríamos o caminho que foi aberto por Ele, e que nós leva a Eternidade com Deus através Dele. O nosso pecado foi que transpassou a Jesus. Ele se tornou o próprio caminho! Ele foi transpassado pelas nossas iniquidades; Deus colocou esta espada inflamada como chama de fogo ao redor do jardim do Éden para que Adão e seus descendentes não voltassem ao jardim para também comer da árvore da vida eterna. Deus deu a revelação de que Jesus seria transpassado por essa espada, para Simeão. “E Simeão os abençoou, e disse a Maria, sua mãe: Eis que este é posto para queda e elevação de muitos em Israel, e para sinal que é contraditado (E uma espada traspassará também a tua própria alma); para que se manifestem os pensamentos de muitos corações”; (Lc 2.34,35). Quando Cristo veio a terra em sua Teantropia (encarnação em corpo humano físico). E após ter sido transpassado por essa espada inflamada. Deus então retirou a árvore da vida eterna do meio do jardim do Éden e a levou para o Seu jardim original dentro da Nova Jerusalém Celestial. “Ao que vencer dar-lhe-ei a comer da árvore da vida que está no meio do paraíso de Deus”; (Ap 2.7). O jardim do Éden terreno foi feito para o homem, um antítipo do tipo celestial: “E plantou o Senhor Deus um jardim no Éden, da banda do Oriente, e pôs ali o homem que tinha formado”; (Gn 2.8). Deus tem um jardim original no Céu. O mesmo jardim onde Lúcifer passeava no meio das pedras afogueadas, não se fala sobre estas pedras no jardim terreno. Neste jardim esta o Monte de Sião celestial. Deus habita num alto e sublime monte, e de lá Ele contempla toda a Sua criação.

Graça & Paz.

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.