O que é jejum para o cristão?

1 de abril de 2012

O que é jejum para o cristão?



     “Porém tu, quando jejuares, unge a cabeça e lava o teu rosto, para não pareceres aos homens que jejuas, mas sim a teu Pai, que está oculto; e teu Pai, que vê o que está oculto, te recompensará”; (Mt 6.17,18). 

O que é jejum? Jejum é um ato físico que consiste em abster-se de comida ou bebida, total ou parcialmente, durante algum tempo ou por certo périodo de tempo. É uma abstinência voluntária podendo ser total ou parcial.  Sendo praticado pela humanidade em todas as épocas, nações, culturas e religiões. Pode ser com finalidade espiritual ou até mesmo medicinal, através dos benefícios físicos com a desintoxicação que é produzida ao corpo. Etmologia do vocábulo: Em hebraico (tsôm) dando o significado de cobrir, tampar, fechar, selar a boca. Em grego (nesteía; nesteian) sentido de abster-se de comer voluntariamente. Em latim (jejunus) no sentido de estar seco, vazio, sem nada. Sendo também sendo usado para se referir ao estado do intestino de um cadáver. Alguns teólogos dão referência à origem do termo jejum em hebraico ao termo “innâ naphshô” o qual da o sentido de “aflição da alma”. Expressão tida também como sinônimo da raiz de tsûm (verbo) e tsôm (substantivo). Portanto podendo também ser utilizado como referência ao jejum, mas respeitando o contexto da passagem bíblica em si.    

O que é jejum para o cristão? Será que benefícios físicos? Êxito ministerial? Dotação e capacitação de poder e discernimento espiritual são consequências e resultados do Jejum? Sim! Mas não é o objetivo principal do jejum. Todas essas citações são necessárias para a nossa vida cristã, mas não podem e não devem tomar o lugar de Deus como o centro principal do jejum. Agradando 1º a Deus, as demais coisas se tornam conseguências! O jejum infelizmente é praticado de maneira errada por muitos cristãos, e principalmente em algumas campanhas as quais as igrejas realizam. Será que Deus recebe este “jejum”? Não, existe jejum que Deus não aceita! Existe uma grande confusão em torno de realizar o jejum como sacrificação da carne. Como que o fato de realizar somente o jejum em si, nos transforma-se em um supercristão em relação a autoridade no âmbito espiritual, que de certa forma reflete também no âmbito físico. Satanás e seus demônios não tem medo de um cristão que faz jejum uma vez por semana ou ora três vezes ao dia. Os demônios não correm, fogem de cristão, que jejua e ora somente. Se fosse assim Satanás teria corrido de Jesus, e não o teria tentado no deserto. Se somente a oração e o jejum, o fizesse correr, ele nem teria chegado perto de Jesus. Jesus foi confrontado pelo diabo três vezes na tentação no deserto. O diabo lançou três argumentos para Ele. Jesus não o venceu com a oração e o jejum somente. Jesus venceu as três argumentações do diabo com a Palavra. Não adianta somente jejuar, não adianta somente orar sem ter base garantida na Palavra. Ter fé para crêr, conhecer e praticar. Deus não aceita o jejum que esta fora da Palavra, o jejum que é realizado por orgulho ou penitência, o jejum que é praticado para exibir cristianismo, o jejum que provoca intriga, que visa interesses próprios e egoístas. Alerta: Ao recém-convertido que aceita a Jesus e logo começa a praticar o jejum e orar fervorosamente, mas por ainda não ter intimidade na Palavra se torna presa fácil para Satanás e seus demônios.     

Como fazer o jejum da forma correta? De acordo com a gastronomia a 1ª coisa a ser feita. Conhecer a estrutura física do seu corpo. O ser humano tem um dispositivo físico natural chamado de relógio biológico. O funcionamento desse relógio se divide basicamente em três fases ou vigílias, de acordo com o fuso horário de 24 horas. O funcionamento do relógio biológico natural é diferente de uma pessoa para outra, por vários fatores, trabalho diário, trabalho noturno, profissão, função, estado físico, rotina etc. Dependendo de como está à vida sedentária (falta de qualquer atividade física) da pessoa. E logicamente de como está à qualidade alimenticia. Ou seja, o que a pessoa come. As três fases são: Alimentação : Das 7 da manhã às 7 da noite. É o conjunto das substâncias de que um indivíduo costuma alimentar-se. Absorção : Das 7 da noite às 7 da manhã. É a função pela qual as células do corpo utilizam para filtrar e separar em seu meio interno, as substâncias, os minerais e vitaminas que lhes são necessárias para o melhor funcionamento do organismo em um todo. Eliminação : Das 6 da manhã às 11 da manhã.  É quando o corpo elimina através das fezes, urinas e suor tudo o que não é aproveitado pelo organismo. Se uma pessoa não entender o funcionamento do seu relógio biológico, ela não vai realizar o jejum de uma forma correta. Para entender a essas fases (Alimentação, Absorção e Eliminação). 

    A pessoa deve observar com atenção aos horários em que ela mais sente fome, e também os horários em que ela realiza as suas necessidades fisiológicas. Por exemplo: Uma pessoa que diz as 7 horas da noite que vai jejuar até ao meio dia do dia seguinte, na realidade ela não esta jejuando. Pelo contrário, ela esta se alimentando muito bem. Porque meio dia ainda esta dentro do horário da absorção. Ou seja, o seu corpo ainda esta utilizando a reserva alimentícia do que foi absorvido no mínimo 8 horas antes. Alguns tipos de alimentos por exemplo, demoram até 10 horas para serem totalmente eliminados do nosso organismo. Quando uma pessoa não respeita o funcionamento do seu relógio biológico, além de se alimentar de forma errada. O organismo estará sempre entre duas fases; absorção e eliminação (descontrolado). Após conhecer o funcionamento do seu corpo em relação ao seu relógio biológico. A pessoa saberá então o melhor horário para realizar o seu jejum (seja ele total ou parcial). Uma forma certa é ficar a noite anterior sem comer nada. E apartir das 6 horas da manhã iniciar o jejum. Jejum físico é sacrificar o corpo (carne) no momento e horário em que ele mais necessita do alimento. Não existem regras determinadas sobre quando jejuar ou qual tipo de jejum praticar; se é parcial, integral, diário, semanal, quinzenal, mensal ou de 40 dias. Isto é totalmente pessoal no caso do jejum particular, ou coletivo no caso do jejum com mais pessoas. O princípio básico para o jejum é:  “Abster-se voluntariamente de alguma coisa ou algo que você gosta de fazer, realizar, sentir com a finalidade de dedicar mais comunhão com Deus”. Dentro desse princípio é possível praticarmos jejum de qualquer coisa em nossas vidas as quais dão prazer a nossa carne. Lembre-se a razão principal do jejum é para se ter uma intimidade maior com Deus. Conforme a constância desse relacionamento. Com certeza, os propósitos, metas e objetivos acontecem pela conseguência natural de comunhão com Ele.

Água não é opção de alimentação e não pode fazer parte do jejum? E o jejum de Jesus e Moisés? Não falaremos ainda a cerca do jejum de Jesus no período de 40 dias na tentação do deserto. Mas deixo bem claro que o jejum de Jesus foi completo, ou seja, sem água líquida e sem comida sólida. “E Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto. E quarenta dias foi tentado pelo diabo, e naqueles dias não comeu coisa alguma; e, terminados eles, teve fome”; (Lc 4.1,2). “E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome”; (Mt 4.2). Moisés também fez jejum completo no monte Sinai. Sem comida sólida e sem água líquida. É necessário ter entendimento sobre algumas questões as quais explicarei no momento oportuno. “Disse mais o Senhor a Moisés: Escreve estas palavras; porque conforme o teor destas palavras tenho feito concerto contigo e com Israel. E esteve Moisés ali com o Senhor quarenta dias e quarenta noites; não comeu pão, nem bebeu água, e escreveu nas tábuas as palavras do concerto, os dez mandamentos”; (Êx 34.27,28). 

O que a ciência explica sobe esta questão? A ciência explica aquilo o que se pode compreender, entender pela visão humana. “Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”; (1 Co 2.14). A apologética da ciência é que água é necessidade, e o nosso corpo depende dela. Uma pessoa normal contém em seu corpo aproximadamente 30 litros de água, necessária para resfriar o corpo (de 55% a 75% do seu peso). Além disso, a água transporta as substâncias tóxicas que sobram da nutrição para serem eliminadas pelos rins e intestinos. Sem água no limite máximo de três dias, o nosso corpo entra em colapso. Em cinco dias depedendo da situação fisica da pessoa ela pode falecer. Há registros de pessoas que suportaram até 49 dias sem comer, mas que ficaram com sequelas na visão e cerebro. Sem água, porém, a resistência é bem menor e o estado de saúde torna-se bastante grave após cerca de 72 horas. Sem a ingestão de alimentos, o organismo começa a queimar suas reservas de energia, principalmente as gorduras. Depois delas, consome as proteínas que compõem os tecidos. Numa pessoa saudável, existe um equilíbrio entre a quantidade de líquidos ingeridos e eliminados. A perda desse equilíbrio no máximo em 7 dias sem água já é o suficiente para matar. É recomendado não relizar um jejum prolongado, se você não tem o costume de jejuar com frequência. Comece de uma forma crescente (aos poucos), assim o funcionamento do seu metabolismo não será afetado em um todo e o organismo de uma forma adeguada se adaptar a qualidade do seu jejum. Mas sem perder e respeitando a qualidade de saúde do seu corpo. Esta é a apologética da Ciência baseado na Gastronomia e na Nutrição. Eu concordo, não sou maluco de argumentar com os pontos citados. Mas eu creio na Palavra de Deus que retrata que Moisés e Jesus não comeram comida sólida e não beberam água por um período de 40 dias, o que humanamente é impossível. Sendo que Moisés realizou por duas vezes.  1ª Vez – 1º Jejum de 40 dias completo sem pão e sem água: “Subindo eu ao monte a receber as tábuas de pedra, as tábuas do concerto que o Senhor fizera convosco, então fiquei no monte quarenta dias e quarenta noites; pão não comi, e água não bebi”; (Dt 9.9).  2ª Vez – 2º Jejum de 40 dias completo sem pão e sem água:“Então, peguei das duas tábuas, e as arrojei de ambas as minhas mãos, e as quebrei as vossos olhos. E me lancei perante o Senhor, como dantes, quarenta dias, e quarenta noites; não comi pão e não bebi água, por causa de todo o vosso pecado que havíeis pecado, fazendo mal aos olhos do Senhor, para o provocar à ira”; (Dt 9.17,18).


Graça & Paz.

Rev. Dr. Carlos Andrade, Th.D.